Três são mortos em bar na 12ª chacina do ano na Região Metropolitana de SP

Acredita-se em crime de acerto de contas; comerciante tinha passagem por tráfico

Ricardo Valota, do estadão.com.br,

31 Dezembro 2011 | 03h18

SÃO PAULO - O dono de um bar, o filho dele e um cliente foram mortos a tiros, no final da noite de sexta-feira, 30, dentro do estabelecimento comercial, localizado na altura do nº 47 da Rua Lua, dentro de uma favela, no bairro da Fazendinha, em Santana de Parnaíba, região oeste da Grande São Paulo. Essa é a 12ª chacina registrada na Região Metropolitana de São Paulo em 2011.

 

Armados supostamente de revólveres, pois nenhuma cápsula de projétil foi encontrada pela polícia no local do crime, quatro homens, de rosto à mostra, pararam um veículo escuro, possivelmente um Fiat Pálio Weekend, em frente ao bar, entraram e ordenaram que a esposa do comerciante, Maria Leda da Silva, se retirasse e fosse para os fundos, onde a família mora. Segundos depois começaram os tiros.

 

Foram mortos José Roberto Batista, de 52 anos, o comerciante, José Ronaldo Batista, 32, o filho dele, e um cliente, identificado como José Edmilson Alves, de 37 anos. Policiais militares da 2ª Companhia do 20º Batalhão foram acionados, mas não chegaram a tempo de socorrer as vítimas, que morreram no local. A polícia acredita em crime de acerto de contas relacionado ao tráfico de drogas. O comerciante, segundo a Polícia Civil, já tinha passagens por tráfico de entorpecentes e porte ilegal de arma.

 

Com mais essa chacina, sobe para 41 o número de mortos em crimes do tipo neste ano. Foram três chacinas na capital, nos bairros Jardim Miriam, Parque Santo Antonio e Campo Limpo, todos na zona sul; e nove casos na Grande São Paulo, em Diadema, Santo André, Mauá, Itaquaquecetuba, Embu das Artes, Cotia, Santana de Parnaíba e Guarulhos (2 casos). Em 2010, ocorreram 13 chacinas, com 50 mortes; em 2009, foram 19 casos, com 61 vítimas; em 2008 ocorreram 21 chacinas, com 71 mortos, e em 2007, 22 casos, com um total de 89 mortes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.