Total de mortos pela PM aumenta 111% no Estado de São Paulo

Nos seis primeiros meses do ano, 317 pessoas foram mortas por militares; número supera o de 2006, época dos ataques do PCC

Bruno Ribeiro e Daniel Trielli, O Estado de S. Paulo

25 Julho 2014 | 21h13

SÃO PAULO - Entre janeiro e junho, 317 pessoas foram mortas por policiais militares em serviço em todo o Estado, o maior número em um primeiro semestre desde 2003 (quando foram 399). O número supera até o emblemático primeiro semestre de 2006, época dos ataques do Primeiro Comando da Capital (PCC) e consequente reação da PM, quando foram mortas 290 pessoas por policiais em atividade. Os 317 mortos representam um aumento de 111,3% em comparação com o mesmo período do ano passado (150).

Na capital, a alta foi ainda maior: 147% (de 66 para 163). Também foi o maior número de mortos pela PM no primeiro semestre desde 2003 (238) e supera o primeiro semestre de 2006 (151 mortos).

O secretário da Segurança Pública, Fernando Grella Vieira, disse que o aumento do total de mortos pela Polícia Militar tem de ser relativizado com o aumento de conflitos da polícia com criminosos. “Se você relativizar com o aumento do número de confrontos, que é justificado até pelo aumento dos roubos, o porcentual não está muito distante do passado, o que não nos dispensa de pesquisar as causas e trabalharmos para reduzir a letalidade.”

Mas Grella não conseguiu detalhar a proporção do aumento desses confrontos. “Estamos pedindo até levantamentos para fazer estudos de caso, mas não estão concluídos.” 

Esses confrontos, no entanto, estão sendo mais letais para os criminosos. Na comparação entre os primeiros semestres de 2013 e deste ano, o número de policiais militares mortos em serviço caiu de 7 para 6 em todo o Estado e de 5 para 3 na cidade de São Paulo. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.