Terra desliza sobre 30 casas em Niterói

Até 23h30, dois corpos foram encontrados, mas 50 pessoas podem ter sido soterradas; mortos no Estado chegam a 147

Talita Figueiredo, O Estado de S.Paulo

08 Abril 2010 | 00h00

RIO

Cidade mais castigada pelas chuvas que caem sobre o Estado do Rio desde a noite de segunda-feira, Niterói, a 15 km da capital, sofreu com um novo deslizamento de terra pouco antes das 22 horas de ontem. Segundo a prefeitura da cidade, entre 30 e 50 casas teriam sido soterradas e mais de 50 pessoas estariam sob os escombros. À tarde, o balanço oficial já dava pelo menos 50 desaparecidos na cidade.

 

Veja também:

linkChuvas no Rio deixa mais de 14 mil fora de suas casas

linkRio pede R$ 370 mi à União para recuperar estragos

linkDistribuição de energia elétrica no Rio fica comprometida

mais imagensImagens sobre o drama da chuva

especialAs áreas afetadas pela tragédia

blogDava para evitar a tragédia?

Até 23h30, os corpos de duas mulheres haviam sido encontrados e um sobrevivente foi encaminhado ao Hospital Universitário Antônio Pedro. Com o deslizamento, aumentou para 147 o número de mortos pelas chuvas em todo o Estado, dos quais 81 em Niterói.

O deslizamento aconteceu no Morro do Bumba, no bairro de Viçoso Jardim e, segundo a prefeitura, as casas atingidas estariam todas habitadas. Na hora, chovia e ventava muito na região, na zona norte de Niterói, a área mais afetada pelo temporal.

Motoristas. Havia a possibilidade de que motoristas que passavam pelo local tenham sido atingidos. A Estrada Viçoso Jardim era usada como atalho por quem seguia pela Rodovia Amaral Peixoto, após um soterramento que bloqueou as faixas de rolagem.

Pelo menos R$ 14 milhões seriam necessários para reparar os estragos e remover famílias de áreas de risco em Niterói, segundo previsão oficial feita antes do novo deslizamento. O prefeito Jorge Roberto Silveira (PDT) diz que há 320 famílias em área de risco e reforçou o pedido para que deixem suas casas. Segundo ele, a cidade não estava preparada para uma tragédia desse porte. No bairro Fonseca, próximo do centro, os moradores não abandonaram suas casas e correm risco. Em Santa Rosa, bairro próximo, as chuvas fizeram vítimas em muitos morros.

Balanço. O Rio continua em estado de atenção. De acordo com o Corpo de Bombeiros, houve 46 vítimas na capital, a maior parte no Morro dos Prazeres, em Santa Teresa (18). As outras mortes ocorreram em São Gonçalo (16), Petrópolis (1), Nilópolis (1), Paulo de Frontin (1) e Magé (1). Segundo a Defesa Civil, 3.262 pessoas estão desabrigadas e 11.439, desalojadas no Estado. Ontem, o prefeito da capital, Eduardo Paes (PMDB), anunciou a decisão de remover e reassentar "todos" os moradores do Morro dos Prazeres e no trecho do Laboriaux, na Rocinha, zona sul, duas das áreas mais atingidas pelos deslizamentos de terra.

/ COLABOROU FABIO MOTTA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.