Temporais deixam 465 mil crianças sem aula em Salvador

Bahia tem 7.454 desalojados e 3.249 desabrigados; em 8 dias, cinco pessoas morreram no Recôncavo Baiano

Tiago Décimo, O Estado de S.Paulo

16 Abril 2010 | 00h00

Centenas de pessoas perderam as casas ou pertences com as chuvas no Recôncavo Baiano entre a noite de anteontem e a manhã de ontem. Rios transbordaram e deixaram bairros isolados. Na capital, 465 mil crianças estão sem aulas. Segundo a Defesa Civil, o Estado tem 7.454 desalojados e 3.249 desabrigados. Cinco pessoas morreram em oito dias.

Entulho. Na noite de anteontem, ao ver o estrago que a chuva fazia em seu bairro - a Vila Canária, em Salvador -, Albertina Santos de Jesus, de 31 anos, decidiu deixar a casa com os três filhos (de 3, 4 e 8 anos) e buscar abrigo com uma tia. Quando a chuva diminuiu, Albertina decidiu voltar para casa. Ao chegar, viu que seu imóvel, construído durante cinco anos, se transformou em entulho. "A gente luta para ter nossa casa, para comprar umas coisinhas, aí vem uma chuva e leva a vida embora", desabafou, chorando, sentada no meio-fio. "Pelo menos dei a sorte de tirar meus filhos."

Anteontem, no mesmo bairro, dois garotos, Pablo e Gabriel, de 2 e 6 anos, morreram quando o quarto no qual dormiam foi destruído por um deslizamento. Em Pirajá, também na periferia, um deslizamento de terra atingiu um menino de 4 anos, que foi socorrido a tempo. No bairro de Águas Claras, a inundação chegou ao teto das casas.

Os próprios moradores fizeram mutirões para tirar crianças e idosos das casas, em botes ou a nado. Um deles, exausto com o esforço, desmaiou enquanto nadava e quase morreu afogado. Foi salvo pelos colegas. Em Santo Amaro da Purificação, 200 famílias ficaram desabrigadas depois que o Rio Subaé avançou.

Emergência. As prefeituras de Salvador e de outros 26 municípios decretaram situação de emergência. Estima-se que 200 famílias da capital não tenham onde se abrigar. Muitas estão instaladas em escolas públicas. As aulas da rede pública estão suspensas em toda a região metropolitana. Ao todo, 465 mil alunos de Salvador estão sem aulas.

O governador, Jaques Wagner (PT), sobrevoou Salvador e Lauro de Freitas ontem. Ele telefonou para o presidente Luiz Inácio Lula da Silva para relatar os problemas e pedir providências dos ministérios. Lula prometeu auxílio.

São Paulo

O primeiro trimestre foi o mais chuvoso nos últimos 15 anos na capital paulista. Foram 872,6 milímetros, segundo o Centro de Gerenciamento de Emergências (CGE) da Prefeitura.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.