Tempo seco deixa São Paulo em estado de atenção

Índice chegou a 19%, quando o ideal segundo a OMS é de 60%; [br]situação só deve melhorar após temporal previsto para sexta-feira

Ana Bizzotto, O Estado de S.Paulo

20 Abril 2010 | 00h00

 

Há nove dias sem chuva, os moradores da cidade de São Paulo começam a sentir os efeitos do tempo seco. Segundo a meteorologia, a situação só deve mudar na sexta-feira, quando a chegada de uma frente fria deve provocar pancadas de chuva forte. Enquanto isso, o melhor é se prevenir para evitar que a falta de umidade provoque problemas de saúde.

Por causa da baixa umidade do ar, a Prefeitura decretou ontem estado de atenção em toda a cidade. O índice oscilou entre 36%, às 13h, e 30%, às 17h. O recomendado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) para o bom funcionamento do organismo é em torno de 60%.

No sábado, dia mais seco do ano até agora, a umidade relativa do ar chegou a 19% - o recorde histórico do mês é 16%. Segundo a meteorologista Neide Oliveira, do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), o baixo índice de umidade está dentro dos padrões climatológicos. "Abril é um mês de transição. Ainda tem chuva, mas apenas quando há passagem de frente fria."

Por causa da chegada da frente fria, que deve avançar pelo Sudeste na sexta-feira e provocar pancadas de chuva e queda de temperatura, a tendência é de que a umidade aumente gradativamente. Hoje e amanhã, segundo o Inmet, os índices ainda ficam baixos, entre 30 e 40% Na quinta, o índice já deve superar os 40%.

Cuidados. Enquanto a umidade continua baixa, o melhor é cuidar da saúde. Segundo o pneumologista da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) Clystenes Silva, o tempo seco provoca desidratação da mucosa das vias aéreas e piora os sintomas de quem sofre doenças respiratórias, como rinite alérgica, asma e bronquite. As principais consequências são o ressecamento de nariz, olhos e garganta, provocando tosse e desconforto. "O ideal é ingerir líquido e umedecer a mucosa do nariz com soro fisiológico", diz Silva. Bacias de água e vaporizadores também são recomendáveis, desde que não provoquem excesso de umidade. "Os vaporizadores só devem ser ligados à noite. Se o ambiente fica muito úmido, favorece a formação de fungos."

Silva também aconselha a população a evitar exercícios físicos em avenidas de grande movimento, onde a concentração de poluentes é maior, principalmente com o tempo seco. "O melhor nessas condições é fazer exercícios em casa ou na academia", aconselha.

Já o pneumologista da USP Paulo Saldiva alerta que os cuidados devem ser redobrados em relação a bebês e idosos, que têm a pele mais fina e por isso perdem mais água pela transpiração da pele.

DICAS

Evite correr próximo a corredores de tráfego ou praticar exercícios entre 11h e 15h

Evite contato com crianças ou adultos doentes

Faça lavagem nasal com soro fisiológico

Quando a umidade estiver abaixo de 30%, espalhe vasilhas com água pela casa. Mas evite deixar vaporizadores ligados o tempo todo: o excesso de umidade também é prejudicial

Deixe o ar condicionado desligado. Ele torna o ar mais seco. Mantenha a casa arejada

Inalações são recomendadas apenas em prontos-socorros, com acompanhamento médico

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.