Assine o Estadão
assine

São Paulo

Haddad

TCM suspende quinta licitação da gestão Fernando Haddad

Nova derrota do petista paralisa projeto para acelerar pequenas obras nas 32 subprefeituras da cidade de São Paulo

0

Bruno Ribeiro e Diego Zanchetta,
O Estado de S. Paulo

23 Agosto 2014 | 03h00

SÃO PAULO - O Tribunal de Contas do Município (TCM) suspendeu nesta sexta-feira licitação da gestão Fernando Haddad (PT) que previa a contratação de 32 empresas para fazer reformas de escolas, creches, postos de saúde e outros prédios onde funcionam serviços da Prefeitura de São Paulo. A decisão foi do conselheiro João Antonio, a pedido do Ministério Público Estadual (MPE), alegando que os critérios de contratação das empresas eram irregulares. A concorrência era de cerca de R$ 100 milhões.

Em pouco mais de um ano e meio, o colegiado de cinco conselheiros do TCM já mandou paralisar, alegando irregularidades, R$ 6 bilhões em licitações da gestão petista. Entre outros processos paralisados pelo TCM, estão a construção de 150 quilômetros de corredores de ônibus (de R$ 4,8 bilhões) e a nova inspeção veicular (R$ 420 milhões).

A nova derrota do governo impede o andamento de um projeto para acelerar pequenas obras nas 32 subprefeituras. Cada empresa contratada ficaria à disposição do subprefeito para ser acionada quando qualquer obra ou reparo fosse necessário, o que evitaria as licitações para cada reforma - a concorrência para uma pequena reforma de um posto de saúde, por exemplo, pode demorar até seis meses. Segundo o MPE, as empresas seriam acionadas e pagas com base em uma ata de preços com valores fixos para materiais como cimento, tijolos, pedras, peças de aço, etc. Mas o órgão entende que para cada serviço se deve fazer uma nova pesquisa com os preços praticados no mercado, conforme prevê a Lei de Licitações.

Volume. A Prefeitura afirma que os apontamentos feitos pelo TCM e o MPE não indicam irregularidades, mas a necessidade de detalhamento melhor dos projetos. Segundo a assessoria de Haddad, isso tem ocorrido porque a cidade vive, nesses dois anos de gestão, “um volume de obras muito maior do que nos oito anos anteriores”, o que estaria atarefando demais os órgãos de controle externo do Executivo.

Sobre a contratação das novas empresas, a Prefeitura diz que fará os esclarecimentos necessários sobre essa nova licitação pública ao tribunal. 

Mais conteúdo sobre: