Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

São Paulo

São Paulo » TCE manda refazer licitação para limpeza do monotrilho de Cidade Tiradentes

São Paulo

São Paulo

TCE

TCE manda refazer licitação para limpeza do monotrilho de Cidade Tiradentes

Tribunal já havia dado liminar suspendendo a licitação, por causa da suspeita da restrição 'indevida à competitividade'

0

BRUNO RIBEIRO, FAUSTO MACEDO e MARCELO GODOY,
O Estado de S. Paulo

22 Agosto 2014 | 22h34

 O Tribunal de Contas do Estado (TCE) decidiu mandar o governo do Estado refazer a licitação para o contrato do serviço de limpeza das estações do monotrilho da Cidade Tiradentes, a chamada Linha 15-Prata do Metrô, por causa da suspeitas de direcionamento da licitação. O problema era a exigência de uma certidão de capacidade para limpeza de "forma ininterrupta em locais de alta circulação de pessoas".

A empresa contratada deveria garantir a limpeza da estação nas áreas que serão usadas pelo público, incluindo os banheiros, os terminais urbanos e as estações. Em fase de testes, as duas primeiras estações da Linha 15 estão prontas para serem inauguradas.

O TCE já havia dado liminar suspendendo a licitação, por causa da suspeita da restrição "indevida à competitividade". O Metrô se defendeu, afirmando que desejava apenas garantir que a empresa vencedora tivesse capacidade técnica para efetuar o serviço. O Ministério Público de Contas havia defendido que a exigência de que a execução de serviços fosse feita de forma ininterrupta feria a súmula 30 do próprio Tribunal de Contas, que veda a exigência de "prova de experiência anterior em atividade específica."

Em seu voto, o conselheiro Sidney Beraldo determinou que seja excluído de um novo edital a exigência de que a empresa vencedora comprove experiência em limpeza "24 horas ininterruptas". Essa imposição, na avaliação do conselheiro, afastava outros que poderiam participar da seleção para o serviço, limitando a concorrência. O Metrô deverá, assim, publicar novo edital para fazer a licitação do serviço.

Resposta. Por telefone, a assessoria de imprensa do Metrô garantiu que a falta de uma empresa que faça a limpeza das estações da linha 15 não atrasa a entrega das estações - que já estão atrasadas. Mas não detalhou se as empresas que atendem outras linhas teriam seus contratos aditados ou se a empresa adotaria outra ação para manter as áreas públicas limpas. Em nota oficial, a companhia limitou-se a dizer que "vai atender às recomendações do Tribunal de Contas do Estado".

Mais conteúdo sobre:

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.