Tarifa de ônibus, trem e metrô volta a custar R$ 3 em SP a partir do dia 24

Aumento para R$ 3,20 foi cancelado. Integração de trem e metrô voltará a ser R$ 4,65. Anúncio foi feito pelo prefeito Fernando Haddad e pelo governador Geraldo Alckmin

Artur Rodrigues, O Estado de S. Paulo

19 Junho 2013 | 18h27

SÃO PAULO - O reajuste nas tarifas de ônibus, trem e metrô em São Paulo foi cancelado. A partir da 0h de segunda-feira, 24, a passagem voltará a ser de R$ 3. O anúncio, antecipado pelo Estado, foi feito na tarde desta quarta-feira, 19, pelo prefeito Fernando Haddad (PT) e pelo governador Geraldo Alckmin (PSDB). Enquanto os dois falavam no Palácio dos Bandeirantes, o prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes (PMDB) também anunciava a revogação do aumento da passagem de ônibus na capital fluminense, volta de R$ 2,95 para R$ 2,75.

"A tarifa de São Paulo volta a tarifa de R$ 3. É segunda-feira, é bom dizer, porque tem um prazo de reajuste dos leitores, que não é feito do dia para a noite. Assim como do reajuste para cima tem que ter antecedência de cinco dias, também as máquinas leitoras devem ser reajustadas para baixo", disse o prefeito Fernando Haddad (PT).

De acordo com ele, o valor da integração também volta ao valor antigo. "O preço da integração, que é o valor de ônibus mais metrô, voltará também ao valor original, R$ 4.65", afirmou o prefeito.

O governador Geraldo Alckmin (PSDB) afirmou que a medida representa um "sacrifício grande" para São Paulo. "Vamos ter de cortar investimentos, porque as empresas não têm como arcar com essa diferença, é o tesouro paulista, vamos arcar com esses custos", disse Alckmin, sem explicar de onde sairá a verba.

Ele afirmou que a medida foi tomada para que os "temas legitimamente" levantados pudessem ser debatidos com "tranquilidade". "A primeira é nossa total prioridade é o transporte coletivo, estimular o transporte coletivo", afirmou.

O reajuste passou a valer em 2 de junho e elevou o preço das passagens para R$ 3,20.

Mais conteúdo sobre:
tarifa passe livre redução

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.