1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Suspeito nega esquartejamento, mas admite ter espalhado partes do corpo

Luciano Bottini Filho - O Estado de S. Paulo

04 Abril 2014 | 19h 25

Morador de rua confessa ter distribuído as partes do corpo em troca de R$ 30; ele disse que não sabia qual era o conteúdo das sacolas

SÃO PAULO - A polícia prendeu João Eduardo Jerônimo, de 29 anos, suspeito de participar do crime de esquartejamento de um homem encontrado no bairro de Higienópolis, região central de São Paulo. Jerônimo foi detido nesta sexta-feira, 4, na Bela Vista, pela Polícia Militar, e encaminhado ao 5.º Distrito Policial (Aclimação).

Ele é morador de rua, usuário de crack e já tinha passagem pela polícia por roubo. Jerônimo negou ter matado e esquartejado a vítima, mas confessou que distribuiu partes do corpo em Higienópolis.

Antes de ser ouvido formalmente, Jerônimo chegou a dar a versão que recebeu R$ 30 de um homem em um carro prata para distribuir as partes dos corpos. Essa informação não foi esclarecida no interrogatório e, por isso, a polícia ainda não concluiu exatamente qual o envolvimento dele com o crime.

O suspeito disse que não sabia do que se tratava o conteúdo das sacolas. Segundo a polícia, Jerônimo é responsável por distribuir apenas as sacolas da região de Higienópolis, não a que continha uma cabeça humana na Praça da Sé. Por isso, é investigada a participação de mais pessoas no crime.

"Por ora, o morador de rua só esclareceu que foi levar (as sacolas), disse o delegado titular do 5.º DP, Carlos Eduardo Silveira Martins. "Se houve pagamento, se alguém determinou, se ele foi o autor, tudo será investigado." Segundo o delegado, o suspeito disse que "não olhou as sacolas e só sentiu que elas estavam pesadas".

Como o homem estava sob efeito de drogas e passou a ter dificuldades para depor, ele foi levado ao Departamento de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP). O morador de rua estava em liberdade condicional, que foi revogada em janeiro e, por isso, já tinha um mandado de prisão decretado. Jerônimo foi condenado a uma pena de cinco anos e quatro meses por roubo. Como estava foragido, não será necessário um pedido de prisão cautelar.

Retrato falado. Após ser preso e levado à delegacia ontem, o morador de rua foi identificado por um investigado por causa da semelhanças com retrato falado divulgado nesta quinta-feira, 3. Ao ser interrogado, ele inicialmente negou participação no crime. Em seguida, confessou participação apenas na distribuição das sacolas.

  • Tags:

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo