Suspeito de atropelar e passar com carro sobre corpo da namorada é preso em Itatiba

Veículo foi apreendido e a perícia encontrou marcas de sangue e resíduos de pele que ainda estão sendo analisados

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

08 Fevereiro 2018 | 09h53

SOROCABA - O jovem acusado de atropelar e passar várias vezes com o carro sobre o corpo da namorada foi preso na noite desta quarta-feira 7, em Itatiba, interior de São Paulo. 

O suspeito, Leonardo Daniel de Oliveira, de 21 anos, que se apresentou à Polícia Civil acompanhado de advogado, negou o crime e disse que a jovem, Lorraine Gabriele Jugni Camargo, de 18 anos, se jogou na frente do veículo porque ele anunciou que iria deixá-la. Após ser ouvido, ele recebeu voz de prisão e foi levado para a cadeia pública de Campo Limpo Paulista, na mesma região. O defensor informou que vai entrar com pedido de liberdade provisória.    

O crime aconteceu na madrugada de sábado, 3, na Estrada do Sol, numa área de chácaras do município. Testemunhas ouviram o casal discutindo e os gritos da jovem pedindo socorro. Em seguida, o carro arrancou e houve um barulho que seria do impacto contra o corpo. Conforme os depoimentos, antes de fugir, o agressor deu ré e passou várias vezes sobre o corpo caído. 

Lorraine chegou a ser socorrida, mas morreu horas depois na Santa Casa da cidade. Uma irmã da vítima contou que Lorraine tinha discussões frequentes com o namorado, com quem morava havia três meses. No enterro da jovem, domingo, 4, em Itatiba, familiares pediram justiça.  

De acordo com o delegado Luiz Carlos Duarte, da Delegacia de Investigações Gerais (DIG) de Jundiaí, a versão apresentada pelo suspeito contraria depoimento prestado à polícia pelo próprio pai dele.

O homem disse que, antes de fugir e se esconder em casa de parentes, Leonardo contou ter jogado o carro contra a jovem e passado sobre o corpo. O veículo foi apreendido e a perícia encontrou marcas de sangue e resíduos de pele que ainda estão sendo analisados. Leonardo vai responder por feminicídio - homicídio doloso praticado em razão do gênero, por ser a vítima mulher. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.