Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

São Paulo » Suspeita de corrupção provoca intervenção no Teatro Municipal

São Paulo

WERTHER SANTANA/ESTADÃO

Suspeita de corrupção provoca intervenção no Teatro Municipal

MPE e Controladoria fizeram busca em sede de organização social que administrava o lugar; diretor é investigado

0

Luiz Fernando Toledo,
O Estado de S. Paulo

26 Fevereiro 2016 | 21h33

SÃO PAULO - A Prefeitura de São Paulo determinou nesta sexta-feira, 26, intervenção na gestão do Teatro Municipal, que é feita pela organização social Instituto Brasileiro de Gestão Cultural (IBGC). A medida é tomada em meio a uma investigação do Ministério Público Estadual (MPE) sobre o ex-diretor da Fundação Teatro Municipal José Luiz Herencia por suspeita de corrupção, enriquecimento ilícito, lavagem de dinheiro e possível prejuízo de R$ 18 milhões aos cofres públicos.

Em decreto publicado no Diário Oficial da Cidade, Haddad determinou intervenção nos prédios, serviços e bens móveis e imóveis do IBGC ou cedidos pela Prefeitura. A intervenção ficará sob comando de Paulo Dallari, atual diretor do Municipal, pelo prazo de 90 dias.

O objetivo, segundo o decreto, é assegurar a execução da programação de 2016, mantendo a continuidade de atividades artísticas e administrativas, auxiliar os trabalhos da auditoria da Controladoria Geral do Município (CGM) e apoiar a investigação.

Nesta sexta, a Controladoria, em ação conjunta com o Ministério Público, cumpriu mandado de busca e apreensão na sede do IBGC e na casa do diretor da instituição, William Nacked. Na sede da instituição funciona ainda o Instituto Brasil Leitor. A Controladoria também instaurou sindicância interna.

Uma linha de investigação da Promotoria aponta que Nacked teria usado o Instituto Brasil Leitor para fazer diversos empréstimos fictícios ao IBGC, para depois ser pago com recursos públicos advindos do IBGC. O Brasil Leitor é considerado o segundo maior comprador de livros do País, atrás somente do Ministério da Educação.

Além disso, promotores do Grupo Especial de Combate a Delitos Econômicos, do MPE, e a Controladoria apuraram que representantes de empresas contratadas pela fundação fizeram depósitos em contas de pessoas ligadas a Nacked e Herencia. No início do mês, a Justiça bloqueou os bens de Herencia. O Estado procurou o IBGC, o Instituto Brasil Leitor, Nacked e Herencia, mas não conseguiu localizá-los. 

Comentários