1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Suspeita de corrupção provoca intervenção no Teatro Municipal

- Atualizado: 26 Fevereiro 2016 | 21h 33

MPE e Controladoria fizeram busca em sede de organização social que administrava o lugar; diretor é investigado

Alvo. José Luiz Herencia é suspeito de corrupção

Alvo. José Luiz Herencia é suspeito de corrupção

SÃO PAULO - A Prefeitura de São Paulo determinou nesta sexta-feira, 26, intervenção na gestão do Teatro Municipal, que é feita pela organização social Instituto Brasileiro de Gestão Cultural (IBGC). A medida é tomada em meio a uma investigação do Ministério Público Estadual (MPE) sobre o ex-diretor da Fundação Teatro Municipal José Luiz Herencia por suspeita de corrupção, enriquecimento ilícito, lavagem de dinheiro e possível prejuízo de R$ 18 milhões aos cofres públicos.

Em decreto publicado no Diário Oficial da Cidade, Haddad determinou intervenção nos prédios, serviços e bens móveis e imóveis do IBGC ou cedidos pela Prefeitura. A intervenção ficará sob comando de Paulo Dallari, atual diretor do Municipal, pelo prazo de 90 dias.

O objetivo, segundo o decreto, é assegurar a execução da programação de 2016, mantendo a continuidade de atividades artísticas e administrativas, auxiliar os trabalhos da auditoria da Controladoria Geral do Município (CGM) e apoiar a investigação.

Nesta sexta, a Controladoria, em ação conjunta com o Ministério Público, cumpriu mandado de busca e apreensão na sede do IBGC e na casa do diretor da instituição, William Nacked. Na sede da instituição funciona ainda o Instituto Brasil Leitor. A Controladoria também instaurou sindicância interna.

Uma linha de investigação da Promotoria aponta que Nacked teria usado o Instituto Brasil Leitor para fazer diversos empréstimos fictícios ao IBGC, para depois ser pago com recursos públicos advindos do IBGC. O Brasil Leitor é considerado o segundo maior comprador de livros do País, atrás somente do Ministério da Educação.

Além disso, promotores do Grupo Especial de Combate a Delitos Econômicos, do MPE, e a Controladoria apuraram que representantes de empresas contratadas pela fundação fizeram depósitos em contas de pessoas ligadas a Nacked e Herencia. No início do mês, a Justiça bloqueou os bens de Herencia. O Estado procurou o IBGC, o Instituto Brasil Leitor, Nacked e Herencia, mas não conseguiu localizá-los. 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em São PauloX