1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

'Império superou a crise com criatividade', diz carnavalesco

- Atualizado: 09 Fevereiro 2016 | 20h 22

Segundo Jorge Freitas, trabalho da comunidade foi essencial para garantir boa pontuação nos quesitos evolução e harmonia

Valeska Reis, rainha de bateria. O quesito fantasia era o critério de desempate, mas na apuração de hoje isso não foi necessário 

Valeska Reis, rainha de bateria. O quesito fantasia era o critério de desempate, mas na apuração de hoje isso não foi necessário 

SÃO PAULO - O carnavalesco Jorge Freitas, da Império de Casa Verde, escola de samba campeã do carnaval paulistano, atribuiu o sucesso ao trabalho com a comunidade. "Os quesitos evolução e harmonia abriram a diferença. Muitas escolas foram penalizadas no quesito evolução. E isso nós conseguimos com o trabalho de chão, um trabalho com a comunidade", disse ele. "Entramos campeã e saímos campeã da avenida. Só podia dar nisso", comemorou ele, que afirma que a crise econômica do País não abalou o desfile do Império. "Superamos a crise com criatividade". 

Com 269,4 pontos, a agremiação venceu as 14 escolas que competiam neste ano (veja as notas de cada escola). A Império explorou o universo dos mistérios, com um desfile de apelo mais visual, fantasias trabalhadas e carros luxuosos. O abre-alas, imponente, com 75 metros de comprimento e 15 metros de altura, carregava o tigre, símbolo da agremiação.

Império de Casa Verde é campeã do carnaval paulista de 2016
SERGIO CASTRO/ESTADÃO
Império de Casa Verde é campeã do carnaval paulista de 2016

Escola explorou o universo dos mistérios, com um desfile de apelo mais visual; X-9 e Pérola Negra foram rebaixadas. Leia mais

A bateria investiu em paradinhas que casavam com o samba-enredo. No trecho "bate forte coração", foram simuladas batidas do órgão. O desfile foi a estreia do carnavalesco Jorge Freitas, ex-Rosas de Ouro, na agremiação. Segundo Freitas, "o que decidiu foi o grande trabalho que estamos desenvolvendo. Tenho uma comunidade muito forte que só precisava ser incentivada", disse o carioca. 

O primeiro casal de mestre-sala e porta-bandeira do Império, Marlon Lamar e Jéssica Gioz, comemorava o título e recebia cumprimentos constantes dos presentes na comemoração do título na quadra da escola, nesta terça-feira. "É o terceiro título que ganho com a escola", disse Jéssica, que está na agremiação desde 1999. "É triunfante. Tivemos a nota máxima", contou Lamar. 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em São PauloX