chensiyuan
chensiyuan

SP vai ganhar faixa de pedestre em 'X' na próxima segunda

Mecanismo, inspirado nos que existem em Tóquio, vai fazer pedestres ganharem quase meio minuto em travessia no centro

Caio do Valle, O Estado de S. Paulo

05 Dezembro 2014 | 09h30

Atualizada às 19h02

SÃO PAULO - Comuns em Tóquio, no Japão, as faixas de pedestres diagonais, ou em “X”, ganharão a primeira versão paulistana na semana que vem. A Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) informou nesta sexta-feira, 5, que o mecanismo começará a ser adotado na segunda-feira no cruzamento das Ruas Riachuelo e Cristóvão Colombo, pouco antes da Avenida Brigadeiro Luís Antônio, no centro.

Nesse cruzamento estão localizadas a sede do Ministério Público Estadual, na Rua Riachuelo, e a Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo, no Largo de São Francisco.

De acordo com o órgão de trânsito, a faixa em “X” tem como objetivo “facilitar a vida dos pedestres”, que, em vez de “efetuarem a travessia em duas etapas distintas (uma via por vez) para atingir a esquina oposta, poderão fazê-lo em uma única vez”. Com a medida, o tempo de travessia para as pessoas a pé no local cairá de cerca de um minuto e meio (89 segundos) para cerca de um minuto (61 segundos).

Haverá a instalação de placas específicas com a nova sinalização viária, além da instalação de semáforos para quem anda a pé. A CET divulgou que, ali, os pedestres terão cinco segundos de sinal verde (o que indica que podem começar a travessia) e 18 de vermelho piscante (um aviso para que não se inicie a travessia).

A escolha desse cruzamento se deu após uma pesquisa apontar que por ali passam, em média 1.468 pessoas por hora, no rush da tarde. No entre picos, ou seja, por volta da hora do almoço, são 1.771 pessoas por hora. De manhã, informou a CET, são 745 pessoas por hora, em média. Se os testes por ali funcionarem, a ideia poderá ser expandida para outros pontos.

A CET diz que seus fiscais “farão o acompanhamento das intervenções para garantir a segurança e a orientação aos transeuntes e motoristas”. Além de Tóquio, esse tipo de dispositivo de trânsito já existe em outras metrópoles, como Londres, na Inglaterra, e Chicago, nos Estados Unidos. 

Histórico. Em anos anteriores, a CET já havia adotado medidas para garantir a prioridade do pedestre. Em 2011, o órgão começou a criar extensões de calçada perto de faixas de travessia, pintando-as de azul e as envolvendo com balizadores. No ano seguinte, painéis suspensos sobre parte das faixas passaram a iluminá-las à noite, para que os motoristas pudessem ver os pedestres a uma distância maior.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.