SP terá plantão para socorrer peregrino

Equipes formadas por voluntários farão plantão 24 horas para resgatar fiéis perdidos, doentes ou que se envolverem em algum tipo de violência

ADRIANA FERRAZ, O Estado de S.Paulo

29 Junho 2013 | 02h07

A Arquidiocese de São Paulo vai montar uma espécie de SOS para peregrinos em situação de risco na Semana Missionária, evento que antecede a Jornada Mundial da Juventude e a visita do papa Francisco, em julho, no Rio. Cada paróquia terá uma "equipe de resgate" 24 horas para quem se perder, ficar doente ou se envolver em casos de violência.

Os paroquianos ficarão com um celular ligado para emergências a qualquer hora. Quando chamados, os responsáveis poderão orientar os peregrinos por telefone ou até resgatá-los de carro.

O padre José Roberto Pereira, da Paróquia Nossa Senhora da Consolação, ainda propõe aos colegas que acionem a Polícia Militar para aumentar a rede de segurança. "Se possível, vamos solicitar rondas noturnas da PM nos trajetos mais realizados pelos jovens. Ou pelo menos nas redondezas das paróquias", diz o padre, que faz parte da coordenação do evento em São Paulo.

Como estratégia extra de segurança, os peregrinos receberão crachás de identificação, que os ajudarão a encontrar as famílias acolhedoras, entrar nos eventos oficiais e participar da programação cultural. Algumas atrações da cidade, como o Museu do Futebol, por exemplo, vão oferecer entrada grátis aos estrangeiros.

Além da violência urbana, a Arquidiocese também teme pela falta de mobilidade em São Paulo e, por isso, programa passeios em grupo. "À noite, por exemplo, os paroquianos podem propor passeios comunitários ou idas a teatros e restaurantes", conta o padre Pereira.

Manual. No site da Semana Missionária (www.prejmjsp.com.br) há um manual para as famílias acolhedoras. Entre as dicas está não pedir ajuda financeira dos jovens e não incentivar os visitantes a beber ou a sair à noite sozinhos. "Não está proibido ir para a balada nem beber. É tudo orientação. O jovem pode ir se quiser, mas terá de assumir os riscos", alerta o padre.

O aposentado José Antonio Marques, de 59 anos, é um dos voluntários da equipe de transporte, responsável por levar os peregrinos aos locais dos eventos. "Acho que não será preciso sair de madrugada. As atividades terão horários definidos", diz o aposentado.

Marques vai receber dois italianos em sua casa, na Bela Vista, no centro da capital paulista. A região concentrará muitos peregrinos italianos. Parte deles deve ser recebida em jantar no Edifício Itália, a ser organizado pela comunidade italiana.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.