Rafael Arbex/Estadão
Rafael Arbex/Estadão

SP quer facilitar a instalação de antenas

Capital paulista é apontada como uma das piores no País para implementar infraestrutura; atualmente, há mais de 700 pedidos travados

Fabio Leitte, O Estado de S.Paulo

01 Março 2018 | 03h00

Considerada uma das piores cidades do País para instalar infraestrutura de telecomunicações, São Paulo quer alterar uma lei de 2004 para facilitar a instalação de antenas de celular e ampliar a cobertura de internet de banda larga na capital. Hoje, de acordo com dados das operadoras de telefonia móvel, existem mais de 700 pedidos de instalação de antenas travados na Prefeitura por causa de um processo de licenciamento tido como burocrático pela própria administração.

+++ Em meio à crise da Oi, líder Vivo foi a operadora que mais cresceu no País

A principal mudança proposta pela gestão do prefeito João Doria (PSDB) é alterar a classificação legal das antenas, tecnicamente chamadas de estação de rádio-base (ERB).

Hoje, elas são consideradas edificações e, por isso, devem seguir as regras definidas no Código de Obras, como serem instaladas em terrenos em vias largas e com ao menos 100 metros de distância de postes. Quando a lei foi feita, há 14 anos, a tecnologia 3G ainda não havia chegado ao País – isso ocorreu em 2007 – e boa parte das ERBs eram instaladas em forma de torres em terrenos ociosos e isolados ou no topo de edifícios. 

+++ Para ampliar banda larga, TIM avalia compra de ativos de Cemig e Copel

Agora, já existem duas tecnologias modernas e mais utilizadas – as miniantenas e as antenas móveis –, mas cuja instalação ainda precisa seguir os parâmetros urbanísticos antigos e obter um alvará da Prefeitura que pode levar mais de dois anos para ser emitido.

Segundo as operadoras, as regras vigentes impedem, por exemplo, a instalação de antenas em bairros da periferia da capital, que não possuem áreas disponíveis que se enquadrem nas exigências da lei.

+++ Corinthians lança operadora de celular com plano a partir de R$ 1

O projeto da nova Lei das Antenas passa a considerá-las equipamentos necessários aos serviços de infraestrutura de utilidade pública, o que permitirá um licenciamento eletrônico simplificado das antenas menores e a instalação delas em todas as regiões da cidade, incluindo escolas e hospitais, o que hoje é proibido. Segundo o setor de telefonia, essa alteração é necessária para que o prazo máximo de 60 dias para o licenciamento das antenas, definido em 2015 por uma lei federal, seja cumprido na capital paulista.

“A tecnologia evolui muito nos últimos anos e a legislação não acompanhou essa evolução, ficou ultrapassada. Hoje, temos antenas menores do que uma caixa de sapato, que podem ser instaladas em postes, semáforos e bancas de jornal, mas elas seguem as mesmas regras de uma torre de 50 metros de altura”, diz Ricardo Dieckmann, diretor de infraestrutura do Sindicato Nacional das Empresas de Telefonia Móvel (SindiTelebrasil). “Faz dois anos que a Prefeitura não emite um alvará de antena. São Paulo está estacionada e precisa recuperar o tempo perdido”, completa.

+++ A Megalópole sem Telefone: O direito à cidade digital num país em desenvolvimento

De acordo com dados da Teleco, empresa de consultoria em telecomunicações, São Paulo tem hoje 6.470 antenas instaladas em seu território. Segundo a gestão Doria, serão necessárias pelo menos mais 2 mil antenas para melhorar a cobertura de banda larga na cidade. “É inadmissível licenciar uma antena como se fosse uma edificação. O projeto vai simplificar e acelerar as instalações de antenas, melhorando o sinal de celular em boa parte da cidade”, afirma Daniel Annenberg, secretário municipal de Inovação e Tecnologia.

Prioridade

O projeto das antenas foi definido por Doria como uma das prioridades para o primeiro semestre, ao lado do projeto de reforma da previdência municipal e do projeto que define as leis de zoneamento para a privatização do Anhembi, na zona norte

+++ Para facilitar venda, gestão Doria quer liberar maior verticalização do Anhembi

O texto da nova lei foi feito pelo vereador Paulo Frange (PTB) na forma de substitutivo de um projeto de 2013 que já foi aprovado em primeira votação na Câmara Municipal. “A tecnologia avançou, a lei federal avançou e São Paulo ficou parada. Esse projeto vai beneficiar principalmente a periferia da cidade, carente de sinal de banda larga hoje”, afirma Frange. 

O texto também abre prazo dois anos para as operadoras regularizarem antenas sem alvará, mas não fala em anistiar multas antigas, contestadas judicialmente pelas operadoras. O projeto prevê que, caso as antenas sejam instaladas irregularmente, as multas serão de R$ 50 mil para os equipamentos menores e móveis e de R$ 100 mil para as grandes torres, mesmo valor em vigor atualmente.

Estudo de associação mostra que número precisa ser triplicado

São Paulo precisa triplicar o número de antenas instaladas para atingir um padrão mínimo de qualidade de cobertura de banda larga na cidade. Isso é o que aponta um estudo feito no ano passado pela Associação Brasileira de Infraestrutura de Telecomunicações (Abrintel), uma das entidades que pleiteia a mudança na Lei das Antenas.

+++ Em meio à crise da Oi, líder Vivo foi a operadora que mais cresceu no País

Segundo a Abrintel, recomenda-se a instalação de uma antena para cada mil habitantes. Na capital, que tem mais de 6 mil antenas, essa relação pode alcançar até 3,5 mil usuários por antena, considerando o número de pessoas que trafegam pela cidade e não apenas o número de moradores.

O dado, contudo, representa a média da cidade, mas não a realidade em bairros da periferia. De acordo com dados fornecidos pela Secretaria Municipal de Inovação e Tecnologia, em Cidade Tiradentes, extremo da zona leste paulistana, essa proporção é de uma antena para cada 16.913 habitantes. Segundo o setor, além de atender a crescente demanda dos smartphones, a ampliação da rede melhoraria serviços como pagamento nas máquinas de cartão.

Além da carência de antenas, a Abrintel estima que metade das torres instaladas na capital não esteja devidamente licenciada e que uma parte não seria sequer passível de regularização com base na lei atual. Por isso, o projeto proposto pela gestão João Doria abre prazo de dois anos para as operadores regularizarem as antenas como base na nova lei. 

Mais conteúdo sobre:
telefone celular telefonia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.