Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

São Paulo

São Paulo » SP lança projeto para resgatar fontes históricas

São Paulo

SP lança projeto para resgatar   fontes históricas

SP lança projeto para resgatar fontes históricas

Obelisco ao lado da Estação Anhangabaú já foi recuperado em parceria com empresa; modelo será estendido a outras obras

0

VICTOR VIEIRA ,
O Estado de S. Paulo

19 Outubro 2014 | 03h00

SÃO PAULO - Pontos de encontro dos paulistanos no passado, as fontes de água da capital devem "ressuscitar". Com o apoio de empresas, a Prefeitura pretende reativar os chafarizes públicos. A largada para o projeto foi a entrega, ontem, do Obelisco do Largo da Memória recuperado, na região central, o monumento mais antigo da cidade.

A data foi escolhida por ser o aniversário de 200 anos da obra, na escadaria da Rua Xavier de Toledo, perto da Estação Anhangabaú do Metrô. Naquela época, a bica de água do local servia para que moradores e viajantes abastecessem seus cantis. O hábito de se reunir nos chafarizes durou até meados do século 20. Depois, a maioria das fontes foi abandonada ou virou alvo de vandalismo.

A festa do bicentenário tem ainda 56 apresentações artísticas no largo, de forró à música clássica, até o dia 2. Nos próximos dois anos, a Prefeitura promete religar a fonte, além de recuperar o painel de azulejos, reparar a iluminação e integrar a obra à estação de metrô.

A limpeza e a nova proteção química do Obelisco foram custeadas por uma empresa, parceira da administração municipal. Com o objetivo de usar menos verba pública e acelerar as ações, acordos com universidades e a iniciativa privada serão incentivados, modelo já usado nos últimos anos. A reativação das fontes será acompanhada de ações educativas e culturais sobre o patrimônio.

"Só o restauro não é suficiente. Pensamos na educação patrimonial para recuperar o envolvimento das pessoas com essas fontes", explica a chefe da Seção Técnica de Monumentos e Obras Artísticas da Secretaria Municipal de Cultura, Mariana Falqueiro, uma das coordenadoras do projeto. A proposta mira exemplos estrangeiros, como Roma e Buenos Aires, que também fazem bom proveito do potencial turístico das obras.

Os serviços regulares de manutenção e limpeza seguirão a cargo da Prefeitura. Em tempos de crise hídrica, os chafarizes usarão apenas água da chuva, armazenada em cisternas, para evitar desperdícios. No futuro, será estudada a possibilidade de usar água potável.

Nenhuma gota. No inventário da secretaria, há 18 fontes registradas, a maioria no centro, em um total de 434 monumentos e obras artísticas catalogados. Dos chafarizes listados, apenas dois, ambos no Parque da Luz, não estão secos. Nos últimos anos, a maioria dessas fontes foi pichada ou virou banheiro improvisado de moradores de rua. Peças dos monumentos, de cobre ou outros metais, foram roubadas. Recentes recuperações desses locais, caras e bancadas pela Prefeitura, funcionaram por período curto e fracassaram depois.

Além do chafariz do Largo da Memória, a meta da Prefeitura é reativar outras duas fontes do centro até 2016. Uma delas é a da Praça Julio Mesquita e a outra é a Carlos Gomes, perto do Teatro Municipal. Para as obras, são necessários cerca de R$ 1,6 milhão.

No caso da fonte da Julio Mesquita, a demanda por reparos é pequena. Na última reforma, iniciada na gestão anterior e concluída só em 2013, foram postas redomas de vidro para proteger a obra. Parte dessas estruturas, porém, pode ser removida nessa nova fase. O projeto atual aposta que, com a apropriação dos chafarizes pelo público, a depredação será menor.

Se o modelo der certo, a ideia é replicar nas outras fontes. Além das 18 do acervo oficial, a pasta identificou nove chafarizes - e a pesquisa continua. Ainda não foi elaborado plano de vigilância dos guardas-civis metropolitanos para os monumentos, mas a expectativa é de que contribuam na preservação.

De olho. Francisco Zorzetti, diretor da Companhia de Restauro, acredita que a educação é importante, mas tem efeitos mais lentos. Ele defende segurança reforçada. "Educar é uma saída para a preservação, mas é preciso proteger. Grades de vidro ou câmeras de vigilância, por exemplo, são ações que agridem menos (o monumento)", pondera.

Mais conteúdo sobre:

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.