SP ganha instituto com 12 mil peças sobre o Holocausto

O Shoah, nos Jardins, vai apresentar o material ao público a partir de março, com oficinas de literatura, teatro, música e vídeos

VITOR HUGO BRANDALISE, O Estado de S.Paulo

06 Janeiro 2013 | 02h02

A rota de fuga de um garoto judeu alemão de 12 anos que percorreu sete países para escapar do nazismo - e desenhou, a caneta e lápis de cor, o desesperado percurso de sua família. Fotos raras de tropas de resistência à ocupação alemã que se esconderam em bosques poloneses e, depois da 2.ª Guerra Mundial, vieram parar no Brasil. Milhares de documentos de judeus expatriados que podem ser úteis hoje em processos de cidadania.

Os documentos são pequena parte de um acervo de 12 mil papéis diplomáticos, fotos e vídeos que vão compor o banco de dados do Instituto Shoah de Direitos Humanos, criado em dezembro nos Jardins, zona sul de São Paulo. Ligado à Universidade de São Paulo (USP), a entidade pretende ser referência nacional, principalmente sobre Holocausto, crimes de ódio e intolerância.

O acervo, repassado pelo Laboratório de Estudos sobre Etnicidade, Racismo e Discriminação (Leer) do Departamento de História da USP, além de estar disponível para pesquisadores, será apresentado à comunidade pela primeira vez por meio de oficinas de literatura, teatro, música e vídeos - tudo gratuito. "Antes, essa documentação ficava na USP e era acessada apenas pelos pesquisadores que nos procuravam. Agora, com a criação do Instituto Shoah, vamos mostrar à comunidade um acervo raro que muitos não esperam encontrar no Brasil", explicou a coordenadora do Leer-USP e agora do Instituto Shoah, Maria Luiza Tucci Carneiro.

Os documentos - alguns revelam a posição ambígua do governo Vargas (1930-1945) ao longo da ascensão dos regimes nazi-fascistas - foram reunidos por pesquisadores da USP desde a década de 1970 e faziam parte do banco de dados do Leer. A partir de dezembro, passaram a ser transportados para a nova sede. "É um material rico, resultado de décadas de trabalho de pesquisadores dedicados a entender o comportamento do Brasil em relação aos regimes totalitários, que agora poderá ser apresentado melhor", disse Maria Luiza. As primeiras oficinas, segundo a historiadora, serão realizadas a partir de março.

Apesar de o Holocausto ser o foco principal no primeiro momento, o novo instituto também pretende ser referência em pesquisas de outros tipos de crimes de intolerância. "Será um órgão de estudos de crimes de ódio em geral, a exemplo do que nossa instituição vem realizando há oito décadas", disse o presidente da entidade judaica B'Nai B'Rith, Abraham Goldstein. "O Holocausto será usado como referência inicial pela qualidade da documentação disponível."

Doações. A criação do instituto deve incentivar também doações de documentos originais, já que muitas vezes não era possível aceitar novos objetos no laboratório, na USP, por falta de espaço. "Emociona pensar que o ato de doar os objetos transforma as histórias de nossos familiares em pesquisas históricas, que podem colaborar para entender o momento", disse Irene Freudenheim, cujo marido, Federico, é o autor do mapa que retrata a fuga da família da Alemanha - e hoje virou cartão-postal do Museu Judaico de Berlim. "Conforta saber que as doações estão protegidas."

O acervo da instituição já pode ser visitado no site do Leer-USP (www.arqshoah.com.br).

INSTITUTO SHOAH DE DIREITOS HUMANOS: RUA CAÇAPAVA, 105. JARDINS. ABERTO DAS 9H ÀS 17H. MAIS INFORMAÇÕES PELO TEL.: (11) 3082-5844 OU PELO E-MAIL: BRASIL@BNAI-BRITH.ORG.BR.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.