Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

São Paulo

São Paulo » Soninha diz que demissão não foi 'de comum acordo'

São Paulo

Reprodução/Facebook

Soninha diz que demissão não foi 'de comum acordo'

'Eu não concordo, mas ele é o chefe e não precisa da minha concordância', disse em publicação nas redes sociais

0

Júlia Marques ,
O Estado de S. Paulo

19 Abril 2017 | 18h07

SÃO PAULO - Em uma publicação no Facebook, a ex-secretária de Desenvolvimento e Assistência Social Soninha Francine (PPS) disse nesta quarta-feira, 19, que sua demissão não foi "de comum acordo", como teria sugerido o prefeito de São Paulo João Doria (PSDB). 

"O que não foi de 'comum acordo' foi minha demissão, oras. O prefeito desaprovou meu trabalho porque entende que eu não apresentei resultados (obras etc) com a rapidez esperada. Eu não concordo, mas ele é o chefe e não precisa da minha concordância para me mandar embora", disse Soninha. Procurada sobre a publicação de Soninha, a Prefeitura não havia se manifestado até as 18h10. 

A demissão de Soninha foi anunciada em um vídeo publicado na segunda-feira, 17, nas redes sociais do prefeito. Doria diz, no vídeo, que a decisão foi tomada conjuntamente. "Hoje (segunda) tivemos uma boa conversa, uma conversa produtiva, altiva, elevada e de muito sentimento. E chegamos a uma conclusão. Ambos. A Sonia volta para o poder Legislativo, ou seja, volta para a Câmara e fará parte do conselho de gestão da Secretaria de Desenvolvimento e Assistência Social."

A ex-secretária também comentou nas redes sociais nesta quarta sobre a gravação do vídeo em que Doria anuncia a sua saída. "Eu resisti, mas aceitei gravar um vídeo ao lado do prefeito para que anunciássemos juntos a minha saída. Não me recusei; portanto, para efeitos práticos, concordei. Não fui obrigada a gravar", disse ela. 

 

 

Na terça-feira, dia seguinte após deixar o comando da pasta, Soninha Francine fez uma discurso na Câmara, no qual afirmou que a experiência de ser secretária foi "incomparável". Segundo a vereadora, que reassume o mandato nos próximos dias, o prefeito cobrava "resultados visíveis" em prazos que não eram possíveis de serem cumpridos.

"É muito difícil se dedicar ao mesmo tempo ao que é estruturante e ao dia a dia. Frequentemente, para você trabalhar com os alicerces, que demoram mais e são menos visíveis, aquilo que seria visível fica para mais tarde e eu escolhi trabalhar com os alicerces, com aquilo que é capaz de sustentar por mais tempo as ações, e que virão", afirmou.

Mais conteúdo sobre:

Encontrou algum erro? Entre em contato

0 Comentários

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.