Sobrado desmorona, fere mulher e atinge 2 imóveis no Jd. Europa

Sobrado desmorona, fere mulher e atinge 2 imóveis no Jd. Europa

Local estava em reforma e Prefeitura afirma que obra tinha alvará. Ferida trabalhava em uma das casas atingidas

Cristiane Bomfim, O Estadao de S.Paulo

01 Abril 2010 | 00h00

O pedreiro Juscelino Jesus Vieira, de 32 anos, tinha acabado de chegar à calçada para descansar quando ouviu um estrondo às suas costas. Uma nuvem de poeira subiu. Quando olhou para trás viu o sobrado, que ocupava o número 394 da Avenida Europa, no Jardim Europa, zona sul, desmoronar por completo. Ele e outros três pedreiros tinham acabado de deixar o local, que passa por reforma há duas semanas.

O acidente ocorreu às 9h30 de ontem e atingiu outros dois imóveis vizinhos e um carro. As casas foram parcialmente interditadas. Uma mulher que estava em um dos imóveis ficou levemente ferida. O laudo da perícia técnica, que vai identificar as causas do desmoronamento, ficará pronto em 30 dias. O caso foi registrado no 15.º DP (Itaim-Bibi). Segundo a Subprefeitura de Pinheiros, a obra tem alvará para demolição de parte do piso térreo e do superior.

Primeiro dia. "Foi Deus que nos tirou de lá segundos antes de a casa cair", conta Juscelino. Segundo o ajudante de obras Jorge Oliveira Nascimento, de 48 anos, o trabalho ontem começou cedo. "Desde 7h estávamos derrubando paredes a marretadas", afirma. Era o primeiro dia dele na reforma do imóvel que iria se transformar em um showroom de veículos. Um dos operários é menor de idade e disse que fazia um "bico".

Segundo o arquiteto responsável pela obra, Danilo Bassani, de 74 anos, ontem foi o primeiro dia da obra. Ele diz que não conhece os pedreiros. "Pelo que (operários) me contaram, eles tinham apenas retirado o teto de gesso e verificado a condição das estruturas", disse. Ele afirmou à polícia que eram três trabalhadores.

A loja ao lado, onde funciona o showroom e o escritório de móveis planejados Falmec, teve os fundos e o andar superior atingidos. A funcionária Michele Gonzaga, de 29 anos, sofreu um corte na perna. Ela descia as escadas quando houve o desmoronamento. Foi socorrida por bombeiros.

O dono da Fiorino branca soterrada, Sérgio Augusto Lopes, de 41 anos, estava próximo do carro quando o acidente ocorreu. "Por sorte não me machuquei", diz. O carro tinha passado por revisão havia três semanas e tinha sido furtado no início de março. A gerente da Falmec, Carla Feola Bucher, de 37 anos, acredita que a loja só reabrirá em duas semanas.

O advogado do proprietário do imóvel que caiu, Eduardo Sampaio Dutra Vaz, disse não ter autorização para revelar o nome do cliente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.