Sinalização confunde motorista em nova via

Sinalização confunde motorista em nova via

Perdidos, caminhoneiros cruzaram canteiro central do Rodoanel para fazer retorno

Bruno Ribeiro, O Estadao de S.Paulo

02 Abril 2010 | 00h00

O Trecho Sul do Rodoanel foi aberto ao trânsito ontem com sujeira na pista, sinalização confusa e postes de iluminação apenas nas pontes e nos acessos a rodovias. Havia um radar de velocidade para flagrar motoristas infratores. Entre 6 horas e 17 horas de ontem, 29 mil veículos passaram pela pista ? cerca de 10 mil eram caminhões.

A sujeira é decorrência da falta de acabamento. As pistas foram entregues sem que o gramado lateral estivesse finalizado, o que levou areia a vários pontos dos 61,4 km da nova via. Os rolos de grama estavam ao lado das pistas. O motorista que estreou a pista ontem notou ainda fios elétricos jogados no gramado central. Há postes de iluminação apenas sob as pontes da pista. Ontem, ao meio-dia, eles estavam acesos.

A Polícia Militar Rodoviária tinha, ontem à tarde, cinco carros estacionados em pontos diferentes da rodovia ? um deles, no sentido do Trecho Oeste, com um radar móvel. A PM não disse se aplicou multa. Em todos os acessos, havia placas indicando limites de velocidade na pista.

Sinalização. O problema que trouxe mais transtornos foi a falta de placas de orientação. O motorista que trafega no sentido oeste do Rodoanel, por exemplo, não encontra nenhuma orientação para retornar. Muitos veículos, principalmente caminhões, fizeram conversões no gramado central.

No extremo sul, a saída que indica retorno (ou acesso à Rodovia Anchieta) não informa que, na bifurcação, também é possível continuar no Rodoanel. Quem entra na pista da direita, que é segregada, mas não faz a curva, continua no Rodoanel sem querer.

O vice-governador Alberto Goldman minimizou a situação. "Ainda tem uns pedaços sujos, com areia, que caiu dos caminhões, que de ultima hora passaram por lá. Mas a sinalização está ótima, o asfalto está bom, sem problema."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.