1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Servidores municipais mantêm paralisação na cidade de Sorocaba

- Atualizado: 28 Março 2016 | 11h 43

Reivindicação é de reajuste de 10,4%, mas a prefeitura alega que a crise prejudicou e ofereceu 3,5% agora e outros 2,5% em agosto

SOROCABA - Cerca de 3,5 mil servidores municipais mantiveram nesta segunda-feira, 28, a paralisação iniciada na quarta-feira da semana passada, 23, em Sorocaba, no interior de São Paulo. Eles reivindicam reajuste de 10,41%, equivalente à reposição da inflação, mas a prefeitura ofereceu 3,5% agora e outros 2,5% em agosto.

O prefeito Antonio Carlos Pannunzio (PSDB) alega que a arrecadação foi fortemente afetada pela crise econômica. O funcionamento das creches e de escolas municipais está prejudicado. Unidades básicas de saúde estão atendendo apenas os casos urgentes. Também houve redução na fiscalização do trânsito.

O Sindicato dos Servidores Municipais pede reajuste imediato de 10,41%

O Sindicato dos Servidores Municipais pede reajuste imediato de 10,41%

A prefeitura conseguiu na Justiça liminar para que 50% dos servidores trabalhem nas áreas de saúde, educação e segurança, e outros 30% nas demais áreas consideradas essenciais. O Sindicato dos Servidores entrou com recurso, ainda não julgado.

A prefeitura tem 10 mil funcionários ativos e informou que os canais de negociação continuam abertos. Às 15 horas, os trabalhadores em greve se reúnem em assembleia em frente ao Palácio dos Tropeiros, sede do governo municipal. 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em São PauloX