Secretário não comparece a reunião com alunos da USP sobre transportes

Secretário municipal de Transportes, Jilmar Tatto não foi a evento com estudantes. O prefeito Fernando Haddad e o governador Geraldo Alckmin não têm agenda pública

Caio do Valle, O Estado de S. Paulo

21 Junho 2013 | 11h50

SÃO PAULO - Convidado a participar de um debate com estudantes universitários sobre os rumos do transporte público na cidade de São Paulo, o secretário municipal dos Transportes, Jilmar Tatto, não compareceu nesta sexta-feira, 21, ao Centro Acadêmico XI de Agosto, que representa os alunos da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (USP).

A assessoria de imprensa do dirigente não informou o motivo de sua ausência. Disse apenas que Tatto não tem agenda pública ao longo do dia. Na quinta-feira, 20, ele se reuniu com o prefeito Fernando Haddad (PT), mas também não se pronunciou publicamente, assim como Haddad. O prefeito igualmente não tem agenda pública para esta sexta-feira, apenas despachos internos com alguns secretários.

O governador Geraldo Alckmin (PSDB), responsável pelo Metrô e pela Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), também não divulgou agenda para o dia. Haddad e Alckmin reduziram juntos, na quarta-feira, 19, em 20 centavos o preço da tarifa de ônibus, metrô e trem de R$ 3,20 para R$ 3, após intensos protestos contra o aumento do dia 2. Ainda não foi esclarecido nem pela Prefeitura nem pelo governo do Estado de onde sairão os recursos públicos necessários para essa redução, que passa a valer na segunda-feira, 24. Uma das propostas é a desaceleração dos investimentos em obras e programas.

O evento no Largo São Francisco, no centro, estava marcado para as 10h, mas se iniciou às 11h. Representantes estudantis de várias faculdades da USP, como a Escola Politécnica e o DCE, em suas falas, repudiaram com veemência a hostilidade a partidos políticos vista na quinta-feira nas ruas da cidade, quando bandeiras de agremiações foram rasgadas na Avenida Paulista. Para eles, o respeito à diversidade partidária é essencial à vida democrática.

Além disso, os jovens debatem a estrutura do sistema de transporte público em São Paulo. Eles dizem que há uma "máfia dos transportes" na cidade que precisa ser quebrada pela Prefeitura e questionam a forma como são feitas as concessões do serviço às empresas, que lucrariam com a qualidade ruim dos transportes.

A gestão Haddad está em processo de renovar os contratos com as empresas e cooperativas de ônibus da capital paulista, com o vencimento, após uma década, dos atuais contratos. O total da licitação, que vale por até 15 anos, é de R$ 46 bilhões, a maior da história de São Paulo.

Representantes da Universidade Federal do ABC (UFABC) e da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) compareceram ao evento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.