Secretário de Haddad diz que Sabesp faz racionamento noturno de água

Já o prefeito disse que apenas informou a rede pública municipal sobre a redução da pressão da água de madrugada, conforme o 'Estado' revelou nesta quarta-feira

Fabio Leite e Rafael Italiani, O Estado de S. Paulo

16 Abril 2014 | 12h53

SÃO PAULO - O secretário de Governo da gestão Fernando Haddad (PT), Francisco Macena, disse nesta quarta-feira, 16, que a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) está fazendo racionamento noturno de água na capital ao reduzir a pressão na rede entre meia-noite e cinco horas. O prefeito, por sua vez, disse não querer entrar em uma "discussão semântica", mas confirmou ter sido informado pela empresa da medida revelada pelo Estado nesta terça. A Sabesp nega que haja rodízio de água.

"O que nós fizemos foi avisar toda a rede pública, hospitais, postos de saúde, para se prevenirem sabendo que durante a madrugada está tendo racionamento de água na cidade de São Paulo", afirmou Macena, que distribuiu um ofício nesta terça-feira, 15, comunicando gestores municipais sobre a redução de 75% na pressão da água fornecida à cidade entre meia-noite e cinco da manhã.

Segundo ele, a medida foi divulgada pela Sabesp na reunião do Comitê Gestor dos Serviços de Água e Esgoto da capital, ocorrida na última segunda-feira entre representantes da prefeitura e da empresa. Macena é o presidente do comitê, que acompanha o contrato de concessão por 30 anos dos serviços de saneamento da cidade à companhia paulista, e pediu a empresa explicações sobre os inúmeros relatos de falta d'água na capital

"Na reunião do conselho gestor, que eu assumi a presidência na segunda-feira, foi pautado isso (falta d'água), e a Sabesp apresentou um relatório. Tem de fato uma redução da pressão. É uma forma de racionamento já que acima de 10 metros de altura, a água não chega. Daí mandei avisar a rede. O pior de tudo é não ter essa transparência", disse Macena.

Semântica. Questionado sobre a medida da Sabesp, o prefeito Fernando Haddad (PT) preferiu não entrar na discussão sobre o racionamento e disse que apenas repassou as informações que recebeu da empresa à rede da prefeitura. "Não vou entrar numa discussão semântica. O que nós fizemos foi informar a rede de serviços públicos da medida para que todos possam se programar. Um hospital, uma escola, um posto de saúde precisa estar informado. Nós fizemos um mero repasse da informação que foi oficialmente recebida", disse o prefeito.

Segundo o documento assinado por Macena, ao qual o Estado teve acesso, a Sabesp reduziu de 40 metros de coluna d'água (m.c.a) para 10 m.c.a a pressão da água na rede durante a madrugada. De acordo com especialistas ouvidos pela reportagem, a medida diminui a perda de água por vazamentos, mas faz com a água não tenha força para subir acima de 10 metros de altura em domicílios e reservatórios. A medida afeta principalmente bairros situados em regiões altas da cidade ou no fim da rede de distribuição de água.   

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.