1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Secretário culpa 'vândalos' por paralisação e tumulto na Linha 3-Vermelha

O Estado de S. Paulo

05 Fevereiro 2014 | 08h 46

Titular da pasta dos Transportes Metropolitanos, Jurandir Fernandes disse à 'Rádio Estadão' que um grupo insuflou passageiros a ocupar trilhos e parar operação; câmeras vão ajudar a identificar essas pessoas, afirmou

SÃO PAULO - O secretário dos Transportes Metropolitanos, Jurandir Fernandes, afirmou nesta quarta-feira, 5, à 'Radio Estadão' que o Metrô irá usar imagens das câmaras de segurança para identificar as pessoas que teriam motivado passageiros a ocupar as linhas após uma pane na Linha 3-Vermelha nessa terça-feira, 4. Uma falha nas portas de um dos trens paralisou todo o ramal em dez das 18 estações das 18h19 às 23h22.

Segundo o secretário, o problema teria levado entre 10 e 15 minutos para ser resolvido caso os usuários não tivessem ocupado os trilhos, porque isso forçou o desligamento da energia e a paralisação de outras composições. Para ele, "vândalos" foram responsáveis por insuflar as pessoas a parar a operação na linha, especialmente na Estação Sé. "Alguns exaltados, com ânimo para fazer vandalismo, começaram a motivar, gritar palavras de ordem, slogans, para que as pessoas pulassem", disse Fernandes. Ele afirmou não ter certeza se o acionamento dos botões de emergência em sete composições da Linha 3 foi "orquestrado" ou uma tentativa das pessoas de escapar do calor, já que o ar condicionado foi desligado com o corte da energia.

De acordo com o secretário, a Polícia Civil está fazendo uma análise da situação e a Polícia Militar está de prontidão para que o "movimento" não se replique. O Metrô, segundo Fernandes, irá comparar as imagens do tumulto dessa terça com as registradas em manifestações de rua, a fim de verificar se os supostos agitadores coincidem. "Não vamos admitir que vândalos saiam das ruas e entrem no Metrô", declarou. "Se detectarmos [no Metrô] a presença de quem estava ontem [terça], eles poderão ser acompanhados".

Série K. Jurandir Fernandes desmentiu o presidente do Sindicato dos Metroviários, Altino de Melo Prazeres. Ao contrário do que disse o sindicalista ao Estado, Fernandes afirmou que o problema nas portas não teve início em uma composição da série K, mas da série H. "O sindicato tem uma fobia com essa série K, uma coisa que precisa ser explicada no campo da psicologia".

A série K faz parte de um lote de trens reformados a partir de 2008. O procedimento foi considerado "danoso" ao Estado pelo Ministério Público Estadual (MP), já que as composições vêm apresentando problemas. Por causa disso, os contratos foram cancelados na segunda-feira pelo MP.

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo