São Paulo reclama

Faltam especialistas

, O Estado de S.Paulo

24 Abril 2010 | 00h00

Estou indignada com o modo como as pessoas de baixa renda são tratadas pelo sistema de saúde pública em São Paulo. Minha mãe está com um problema no pé, e não sabemos o motivo porque não conseguimos atendimento. No dia 14/3 fomos ao Hospital da Vila Maria, onde foi atendida por um ortopedista que nem sequer pediu uma radiografia. Passou só duas injeções para a dor, que não surtiram efeito, e uma guia para que ela procurasse um ortopedista no posto de saúde. No posto (AMA) fomos informadas de que não havia ortopedista. Na UBS poderia marcar uma consulta para daqui a 2 anos. Achei que tinha entendido errado, mas não! A humilhação e o desdém com que as pessoas são tratadas são de dar nojo.

ROSÁRIA SCIANCI / SÃO PAULO

A Secretaria Municipal da Saúde esclarece que a coordenadoria regional de saúde responsável pela UBS Parque do Boturussu já advertiu a equipe da unidade em relação à presteza e à qualidade do atendimento que deve ser oferecido a todo o cidadão. Em relação ao atendimento da mãe da sra. Rosária no Hospital Vereador José Storopolli, ela foi medicada de acordo com orientação do profissional médico que a atendeu. Após avaliação realizada pelo especialista, não foi identificada a necessidade de realização do exame de raio-x.

A leitora diz: Infelizmente tive de entrar em contato com o jornal para que alguém se mexesse. Funcionários do posto de saúde me procuraram, assim como do hospital. O engraçado é que em menos de 1 mês os dois lugares conseguiram uma consulta para minha mãe. Mas, como informei a eles, eu já havia procurado outro hospital, com medo da gravidade do caso.

ENCHENTES

O caso da Rua Cuba

Há pessoas que creem no sobrenatural. Não é o meu caso. Prefiro crer que há, quase sempre, uma relação de causa e efeito entre os fenômenos. Moro na Rua Cuba há mais de 11 anos. Nos últimos 10 anos, caíram chuvas devastadoras, mas jamais a ponto de alagar totalmente a rua. Mas isso mudou no final de 2008, com uma obra na galeria de águas pluviais (na esquina da Rua Cuba com as Ruas das Bermudas e Chile), em que se construiu uma minipracinha e foram abertas bocas de lobo e feitas as respectivas ligações com a antiga galeria de águas pluviais. Desde então a cada chuva mais forte vemos a Rua Cuba se transformar em rio caudaloso. Acredito que há algo errado com as ligações dessas 4 novas bocas de lobo. A quem reclamar?

MARIZE C. VILELA / SÃO PAULO

A Subprefeitura de Pinheiros informa que essas obras fazem parte do Projeto Canteiros Verdes, implantado por esta subprefeitura em 2008, com a CET. O projeto se baseia na implantação de áreas verdes no centro de bifurcações, entroncamentos e rotatórias que serviam para organizar o sistema viário. Nesses locais, o asfalto foi removido e o espaço, preenchido com terra. Trata-se de uma obra simples, que já apresentou resultados: além de mais bonito, o local torna-se permeável. No caso específico, pequenas alterações na rede de drenagem foram necessárias para adaptar a drenagem superficial à nova situação do viário local. Explica que os alagamentos foram resultado das chuvas atípicas que atingiram a cidade no início do ano.

A leitora contesta: A resposta da subprefeitura é propositalmente ambígua. Não me referi ao novo visual dos pequenos canteiros, mas o modo como foram feitas as conexões que estabelecem a ligação com o esgoto de águas pluviais. Mais do que culpar São Pedro, a Prefeitura deveria fazer uma vistoria no sistema de captação de águas pluviais da região. Minha reclamação é contra quem pensa que com artifícios cosméticos está enganando os munícipes ou resolvendo algum problema estrutural.

ABANDONO

Horto Florestal

Como frequentador do Horto, sinto-me constrangido por causa do péssimo estado em que o local se encontra. Há água parada em diversos locais, muito lixo espalhado pela mata, um verdadeiro abandono.

APARECIDO D. NEVES /SÃO PAULO

A Direção do Instituto Florestal informa que o Parque Estadual Alberto Löfgren (Horto) se encontra em fase de reestruturação e implantação de novos contratos de prestação de serviços terceirizados. A contratação dos serviços de manutenção de áreas verdes, que inclui o Arboreto de Vila Amália, está em trâmite no Instituto Florestal, objetivando sua breve efetivação. A direção diz que conta com a compreensão do leitor, informando ainda que está sendo providenciada a roçada do Arboreto da Vila Amália e demais ações visando à boas condições de acessibilidade ao local.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.