REGINALDO CASTRO
REGINALDO CASTRO

Roubo em SP completa 1 ano e meio de alta em novembro; homicídio também sobe

No Estado, aumento dos roubos foi de 11,9%, em relação ao mesmo mês do ano passado; Assassinatos, que haviam caído 1,8% em outubro, voltaram a subir, desta vez 2,2%

Marcelo Godoy, O Estado de S. Paulo

22 Dezembro 2014 | 03h00

Um ano e meio de crescimento constante dos roubos no Estado. Dados da criminalidade de novembro, da Secretaria de Segurança Pública (SSP), obtidos com exclusividade pelo Estado, mostram novo aumento do delito em São Paulo, desta vez de 11,99%, em relação ao registrado no mesmo mês de 2013. Os homicídios também tiveram aumento, de 2,27%. No acumulado do ano, há uma queda de 3%, comparando as 3.921 mortes registradas nos 11 primeiros meses de 2014 com as 4.093 do mesmo período de 2013.

O persistente período de alta dos roubos aponta que a quantidade desse crime mudou de patamar no Estado. De fato, desde junho, os índices de aumento se mantêm entre 11% e 16% – o maior crescimento foi registrado em fevereiro, com 37,2%. Os objetos mais roubados ainda são os telefones celulares e documentos.

Além dos roubos em geral, também aumentaram no ano os roubos de carga – 7,5% no acumulado dos 11 meses – e os furtos de veículos, com crescimento de 5,74 no ano (aumento de 0,56% em novembro). Já os roubos seguidos de morte – os latrocínios – permaneceram estáveis, enquanto durante o ano a queda foi de 0,58%. 

Dois tipos de roubos registraram queda no mês: a bancos (-23%) e de veículos (-14,61%). Para o comando da polícia, esses números são importantes, pois os roubos a banco e os de carros quase não têm subnotificação. Ou seja, o banco que é assaltado e o dono do veículo sempre procuram a polícia para registrar o delito – pesquisas de vitimização calculam que cerca de 60% dos crimes não são comunicados à polícia.

Notificação. Em entrevista ao Estado, o comandante-geral da PM, coronel Benedito Roberto Meira, afirmou ontem que parte do aumento dos roubos se devia ao fato de o governo ter permitido o registro desse crime pela internet, o que teria diminuído a taxa de subnotificação do delito. Para Meira, em 2015, esse efeito terá passado e, então, a tendência seria a diminuição dos roubos 

Para tentar diminuir os roubos no próximo ano, o governo estuda duas medidas. A primeira é conceder a gratuidade para quem tira a segunda via do RG – hoje, o custo é de R$ 29,06. Atualmente, as vítimas de roubo ou furto são isentas da taxa. Para a polícia, isso induz muitas pessoas a comunicarem crimes falsos para obter a isenção.

Outra aposta do governo para enfrentar a alta de roubos é o bloqueio dos celulares com base no Imei do aparelho. O Imei é o número de identidade do equipamento, como o chassis do carro. A intenção do governo é que a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) obrigue as operadoras a bloquear o Imei dos aparelhos roubados ou furtados. Com isso, não seria possível trocar o chip e habilitar o telefone com outra linha, tornando o celular inútil. Assim, os assaltantes não conseguiriam mais vender o aparelho.

Homicídios. No caso dos homicídios dolosos (quando há intenção de matar), que haviam caído 1,8% no Estado em outubro, o aumento chegou a 2,27%. Já os homicídios culposos (quando não há intenção de matar) registraram queda de 3,31%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.