Polícia Militar/Divulgação
Polícia Militar/Divulgação

Rota prende suspeito de chefiar quadrilha com R$ 570 mil em casa

Segundo a Secretaria de Segurança Pública (SSP), os policiais teriam recebido uma denúncia anônima antes da ação

Felipe Resk, O Estado de S. Paulo

22 Janeiro 2015 | 13h52

SÃO PAULO - Policiais da Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar (Rota), a tropa de elite da PM paulista, prenderam um suspeito de liderar uma quadrilha de ataques a caixas eletrônicos na tarde desta quarta-feira, 21, na zona norte da capital paulista. Procurado pela Justiça por tráfico e roubo, Felipe Boloni Alves Rosa, de 31 anos, foi pego em casa, com cerca de R$ 572 mil em dinheiro. Outro suspeito ainda não foi localizado. Ao todo, os oficiais apreenderam cerca de R$ 740 mil em dois endereços diferentes.

Segundo a Secretaria de Segurança Pública (SSP), os policiais teriam recebido uma denúncia anônima sobre um suspeito que seria responsável pela contabilidade de tráfico de drogas. Por volta das 17h30, os oficiais se dirigiram para a Rua Deputado Fernando Ferrari, na Vila Souza, na zona norte, mas apenas a mãe dele estava em casa. Os policiais foram conduzidos por ela para o quarto do filho. Sobre a cama, havia uma quantia de cerca de R$ 169 mil em notas, que foram apreendidas, afirma a Polícia Civil. O suspeito não foi localizado.

Em seguida, os oficiais da Rota foram até outra casa, na Rua 22 de Agosto, na Vila Amália, também na zona norte, onde encontraram Felipe Boloni com R$ 572 mil, diz a PM. Encaminhado para a delegacia, ele teria confessado à Polícia Civil que o dinheiro era proveniente do tráfico de drogas. Além da quantia, um veículo modelo Hyundai Santa Fé também foi apreendido.

O caso foi registrado no 38º Distrito Policial (Vila Amália), onde a mãe do suspeito ainda não localizados prestou esclarecimentos. Boloni foi transferido para a carceragem do 72º DP (Vila Penteado) e vai responder por lavagem de dinheiro e tráfico de drogas.

Mais conteúdo sobre:
Polícia PM Rota

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.