Rio vistoria balsas que receberão 24 toneladas de fogos de artifício

Ao longo de Copacabana e do Leme, foram montados quatro palcos; atrações musicais vão das 18h às 3h no réveillon

ROBERTA PENNAFORT/ RIO, O Estado de S.Paulo

30 Dezembro 2011 | 03h06

Ontem, oito das 11 balsas com os fogos de artifício que serão usados no réveillon de Copacabana, na zona sul do Rio, foram vistoriadas pela Riotur e pela Capitania dos Portos. Amanhã à tarde, eles serão posicionadas no mar, a 500 metros da costa. As três balsas restantes serão montadas hoje.

A contagem regressiva vai começar quando restarem 40 segundos para 2012. O show de fogos terá duração de 16 minutos, a partir da meia-noite. Serão usadas 24 toneladas de material explosivo, em um espetáculo de seis fases: bem-vinda, Rio+20, com fogos em tom esverdeado; energia solar; água; fauna e flora; vento e otimismo. Cada fase terá cores e formas distintas. Simultaneamente, por meio de torres de som, será veiculada uma trilha sonora especialmente montada pelo DJ João Brasil.

Ao longo das Praias de Copacabana e do Leme, foram montados quatro palcos, com atrações musicais das 18h às 3h. Em dois deles - um na frente da Rua Xavier da Silveira e outro no Leme -, haverá apenas DJs. No palco principal, na frente do hotel Copacabana Palace, shows de Beth Carvalho (às 20h) e O Rappa (às 22h), além do DJ David Guetta ( à 1h40). Outro palco, na direção da Rua Santa Clara, vai receber Moraes Moreira (às 22h15), Blitz (à 0h16) e a bateria da Mangueira (às 2h30), entre outros músicos. Shows serão interrompidos durante a queima de fogos.

Iemanjá. Em caminhão aberto e seguida por mais de 20 ônibus e muitos carros, a imagem de Iemanjá seguiu em procissão ontem pelas movimentadas Avenidas Dom Helder Câmara, Presidente Vargas e Rio Branco. Comerciantes do Mercadão de Madureira, que há décadas concentra lojas de artigos religiosos, mantêm o ritual desde 2003. "O ideal seria fazer no dia 31, mas não há condições. Reunimos cinco mil pessoas todo ano. Iemanjá é a mãe de todos os orixás, temos de cultuá-la", disse Guaracy Coutinho, um dos organizadores da carreata iniciada em Madureira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.