Rio faz mutirão carcerário e beneficia mais de 4 mil presos

Foram concedidos benefícios como progressão de pena, visita ao lar e trabalho extramuros em 22 presídios

Maíra Teixeira, da Central de Notícias,

05 Novembro 2009 | 19h47

Um mutirão carcerário analisou 8.026 processos e concedeu 4.027 benefícios previstos na Lei de Execuções Penais, como progressão de pena, visita periódica ao lar e trabalho extramuros para presos de 22 presídios do Estado.

 

As análises começaram em 1º de outubro, com a formação de um polo de trabalho formado cinco juízes, sete defensores públicos, cinco promotores de justiça e cerca de 100 servidores do Tribunal.

 

Nesta sexta-feira, 6, em cerimônia no Instituto Penal Plácido Sá Carvalho, no Rio de Janeiro, serão inaugurados terminais de autoatendimento dentro dos presídios. Esses terminais vão possibilitar que os presos acompanhem seus processos de dentro das unidades prisionais.

 

Será também lançado o Projeto Começar de Novo, do Conselho Nacional de Justiça, que tem o objetivo de ressocializar os presos e promover sua inserção no mercado de trabalho.

Mais conteúdo sobre:
Rio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.