Daniel Teixeira/AE
Daniel Teixeira/AE

Reunião termina sem acordo e quarto protesto contra tarifas em SP está mantido

Governo diz que revogação do aumento é impossível e movimento promete manifestação ainda maior nesta quinta (13)

Bruno Paes Manso, O Estado de S. Paulo

12 Junho 2013 | 17h41

SÃO PAULO - Depois de uma reunião com representantes da Prefeitura e do governo do Estado na tarde desta quarta-feira, 12, o Movimento Passe Livre (MPL) manteve na agenda a manifestação contra o aumento da tarifa de ônibus marcada para esta quinta-feira, 13, com concentração no Teatro Municipal. O ato será o quarto em uma semana e, segundo os integrantes do movimento, deve ser o maior. Nessa terça, o protesto reuniu cerca de 10 mil pessoas e, mais uma vez, terminou em vandalismo e confrontos com a PM.

Na reunião, convocada e mediada pelo Ministério Público do Estado de São Paulo, tentou-se suspender o protesto, por conta dos conflitos e depredações já causados. O MPL, porém, afirmou que só cancelaria a manifestação se a reivindicação do grupo fosse atendida: reduzir a passagem de ônibus na cidade de São Paulo de R$ 3,20, valor  reajustado no dia 2, para um patamar igual ou menor que o anterior, que era de R$ 3,00.

O movimento afirmou que a culpa pelos confrontos e depredações vistos nos últimos atos é do prefeito e do governador, por não terem baixado a tarifa. "A pauta é única, direta e objetiva: as pessoas vão se manifestar na rua para reduzir e, se não houver a redução, as manifestações vão continuar", disse Lucas Monteiro, do MPL.

A perspectiva de diminuição da passagem não foi aventada pelos representantes da Secretaria Municipal de Transportes Adalto Farias, e da Secretaria Estadual de Transportes Metropolitanos, Pedro Luiz Machado. Para eles, a revogação do aumento é impossível. "As planilhas estavam postas e o reajuste foi abaixo da inflação", disse Farias, gestor financeiro da pasta municipal.

Comissão. O MPL afirmou que concordaria em suspender o protesto caso o MP conseguisse convencer os representantes do Estado e da Prefeitura a retornar provisoriamente a tarifa para R$ 3,00 nesta quinta-feira, 13, criando uma comissão para rediscutir o preço da passagem. O promotor de Habitação e Urbanismo da capital, Maurício Ribeiro Lopes, perguntou a Lucas Monteiro: "Caso o Prefeito suspenda, vocês cancelam a manifestação?". "Sim", disse o representante.

Mais conteúdo sobre:
Protesto ônibus SP Trânsito SP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.