1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Reunião termina sem acordo e metroviários devem parar na quinta

Caio do Valle - O Estado de S. Paulo

02 Junho 2014 | 17h 45

Novo encontro entre Metrô e funcionários no Tribunal Regional do Trabalho está marcado para esta quarta

SÃO PAULO - Mesmo com a presença do secretário estadual dos Transportes Metropolitanos, Jurandir Fernandes, a audiência de conciliação entre metroviários e o Metrô avançou pouco na tarde desta segunda-feira, 2, no Tribunal Regional do Trabalho (TRT) da Segunda Região, na região central. Com isso, a tendência é de greve da categoria na quinta-feira, 5.

Uma nova reunião no TRT está marcada entre as duas partes para as 11 horas de quarta-feira. Será o último encontro antes da assembleia definitiva do Sindicato dos Metroviários, marcado para o fim da tarde, quando será votada a paralisação da categoria.

O presidente da entidade, Altino de Melo Prazeres Júnior, afirmou que as expectativas de avanço nas negociações foram frustradas na audiência desta segunda. Isso, porque o Metrô não aumentou a proposta de reajuste salarial aos metroviários, que continuou nos 7,8% oferecidos na semana passada. 

O secretário Fernandes, à frente da pasta que controla o Metrô, falou que sua presença simboliza o interesse do governo do Estado em evitar a greve. A desembargadora Ivani Contini Bramante cobrou o secretário ao fim da sessão. "Tenha empenho especial para que tudo dê certo", disse a magistrada, que afirmou ainda que espera uma proposta maior por parte do Metrô na próxima negociação. 

Na semana passada, o TRT sugeriu que a empresa ofereça um reajuste salarial de 9,5%, patamar que os metroviários ainda consideram insuficiente. A categoria indica que haverá greve na quinta-feira, uma semana antes da abertura da Copa do Mundo em São Paulo, caso o Metrô não pratique um aumento maior do que 10%. Inicialmente, os trabalhadores pediam 35,4%.

O sindicato também se mostrou disposto a trabalhar normalmente durante a greve caso o governo os autorize a liberar as catracas nesse dia, para que a população não seja prejudicada. O governador Geraldo Alckmin (PSDB), no entanto, descartou essa hipótese na última semana.

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo