1. Usuário
Assine o Estadão
assine


Represa seca e cidade de Marília adota rodízio na captação de água

José Maria Tomazela - O Estado de S. Paulo

27 Agosto 2014 | 19h 51

De acordo com a prefeitura, a seca na região é a pior em 70 anos; prefeito pediu à população rigor no uso da água

SOROCABA - A prefeitura de Marília, no centro-oeste do Estado, iniciou nesta quarta-feira, 27, um sistema de rodízio na captação para evitar colapso no abastecimento de água. A Represa da Cascata, que abastece 12% dos 200 mil moradores, secou e a captação teve de ser suspensa. “Como não é mais possível usar a represa, estamos fazendo um remanejamento das outras fontes de captação para evitar que os moradores fiquem sem água”, disse o prefeito Vinicius Camarinha (PSB). Ele pediu à população rigor no uso da água.

Conforme dados da prefeitura, a seca na região é a pior em 70 anos. Em agosto, choveu apenas 3 milímetros para uma média histórica de 36 mm. Marília é a 20ª cidade no Estado de São Paulo a adotar oficialmente restrição no consumo de água. Dois municípios - Tambaú e Cordeirópolis - decretaram estado de calamidade pública em razão da falta de água. Outros cinco estão em situação de emergência.

Em várias cidades, rios e mananciais baixaram muito, impossibilitando a captação. Em Pereiras, o Ribeirão das Conchas secou completamente pela primeira vez em 100 anos e a cidade passou a ser abastecida com a água de poços. No município de Torre de Pedra, a Sabesp está captando água em uma represa particular para evitar o racionamento. A empresa vinha emprestando água de Porangaba, cidade vizinha, mas o rio que a abastece também está quase seco. Bofete e Conchas, que se abastecem no Rio do Peixe, também estão no limite para o racionamento.