Região da Sé começa a ganhar mudas de ipês

Plantio de 400 árvores faz parte da compensação ambiental pelas obras da Marginal; Bela Vista e Barra Funda também deverão receber espécies

Ana Bizzotto, O Estado de S.Paulo

20 Abril 2010 | 00h00

O centro de São Paulo começa a ficar um pouco mais verde. Desde a semana passada, 400 mudas de ipês roxo e amarelo estão sendo plantadas em 24 ruas da região da Sé. O plantio é feito pela Desenvolvimento Rodoviário S.A (Dersa), como parte da compensação ambiental pela obra da Nova Marginal do Tietê. A população definiu os locais de plantio, que teve início na Rua Rego de Freitas, onde fica a Associação Matilha Cultural.

Em outubro, a entidade já havia promovido uma campanha de arborização no centro. "Tudo começou quando quisemos plantar duas árvores", conta a ambientalista Rebeca Lerer, diretora da Matilha. Antes de conseguir as mudas, a associação já havia plantado 18 árvores na região central, nas Ruas General Jardim e Epitácio Pessoa, além da Rego de Freitas.

Outras 88 árvores deverão serão plantadas na Bela Vista e mais um grupo, em número ainda não definido, na Barra Funda, zona oeste.

Na Bela Vista, as sugestões de locais para plantio partiram da Rede Social Bela Vista, que reúne mais de 40 organizações. Criada em 2005, a rede fez uma pesquisa com moradores, que apontaram o lixo como um dos principais problemas. Um grupo foi criado em 2009 e plantou cerca de cem árvores. As Ruas Barata Ribeiro, Conselheiro Carrão e Itapeva foram contempladas.

"O plantio faz parte de um conjunto de ações para promover a melhoria do meio ambiente", explica o coordenador de sustentabilidade do Hospital Sírio Libanês, Flávio Álvares, um dos 15 integrantes do grupo.

Outro grupo de mudas será plantado no Albergue Boraceia, na Barra Funda. O abrigo de moradores de rua tem uma horta comunitária. "Como temos bastante espaço, surgiu a ideia do plantio das árvores", conta diretora Elza Maria de Oliveira. "Além de tornar o espaço mais agradável, estaremos contribuindo para melhorar o clima."

Amigo da Árvore. Em outras regiões da capital também há exemplos de contribuições valiosas para tornar a cidade mais verde. O ambientalista Ricardo Cardim, mestrando em Botânica pela Universidade de São Paulo, já plantou mais de 600 árvore e apoia a iniciativa de plantar ipês. "Também deveriam plantar árvores frutíferas, como Cambuci e Araçá", sugere. "As pessoas gostam dessas árvores, e elas contribuem para a manter a fauna."

Em julho de 2008, ele criou a Associação Amigos das Árvores, que fornece em blog informações sobre árvores. Segundo ele, a participação da população é benéfica, mas deve ser bem orientada. "Hoje, 80% das árvores são de origem estrangeira. Isso contribui para o desequilíbrio ambiental e faz com que as pessoas se esqueçam da riqueza biológica que São Paulo já teve."

A Dersa deve plantar 175.854 mudas de árvores nativas. Até terça-feira, haviam sido plantadas 48.299 mudas. Do total, 83 mil devem ser distribuídas na região de oito subprefeituras: Sé, Mooca, Santana, Vila Maria, Lapa, Freguesia do Ó, Casa Verde e também Pirituba.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.