1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Queixas de usuários da CPTM vão da estrutura à velocidade

- Atualizado: 11 Janeiro 2016 | 07h 05

Para passageiros, o avanço da tarifa, que passou para R$ 3,80 no sábado, não levou a um aumento da qualidade do serviço

SÃO PAULO - Velocidade baixa, falta de pontualidade e má conservação dos trens são queixas mais comuns do que a superlotação entre usuários da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM). Na semana passada, diante da segunda falha de operação no ano, na Linha 7-Rubi, o Estado ouviu passageiros sobre a qualidade do serviço.

“É péssimo. O estado de conservação dos trens é muito ruim. Das estações, também. Em Pirituba (zona norte da capital), a estação só tem um acesso. Um cadeirante, uma pessoa com deficiência, tem de ser carregada pelos seguranças. A escada fica bloqueada por eles. E os trens andam muito devagar”, diz o estudante Renato Lucas Rúbio, de 26 anos. “O aumento da tarifa não vem acompanhado de aumento da qualidade”, reclama. A tarifa passou de R$ 3,50 para R$ 3,80 no sábado.

Rúbio aponta falta de acessibilidade na estação Pirituba
Rúbio aponta falta de acessibilidade na estação Pirituba

“Eles andam muito devagar. Uso as Linhas 11 (Coral), 12 (Safira) e 7 (Rubi). A 7 é a pior de todas. Os trens são muito velhos, não têm ar condicionado e sofremos muito com a lotação no calor”, disse a auxiliar financeira Sheyla de Sousa, de 29 anos, moradora de Guarulhos que se desloca com frequência para Francisco Morato, na Grande São Paulo.

Outra queixa comum é o tempo de espera. “Acho que pode ser que nem seja tão culpa do sistema, porque no fim do ano teve o incêndio lá na Estação da Luz e pode estar com problemas ainda. Mas os trens demoram demais. É muito diferente do metrô, que passa um em seguida do outro. Essa espera atrasa muito a viagem”, afirma a estudante Fernanda Pinheiro Peixoto, de 20 anos.

Melhorias. O governo do Estado comprou, há dois anos, 65 trens para a CPTM. São composições com ar condicionado e de salão único (sem separação entre os vagões, como já acontece na Linha 4-Amarela do Metrô). Segundo o secretário de Estado dos Transportes Metropolitanos, Clodoaldo Pelissioni, as primeiras oito composições serão entregues nos próximos dois meses e todas vão justamente para a Linha 7-Rubi. “Nessa linha, há ainda 11 trens do que chamamos de frota 1.100. São trens comprados em 1954, que ainda estão operando”, afirma.

Há cinco estações em obras na CPTM atualmente: Jandira, Jardim Silveira, Jardim Belval e Quitaúna, na Linha 8-Diamante, e a Estação Engenheiro Goulart, na Linha 12-Safira, que receberá o trem da Linha 13-Jade, em obras. Em 2013, havia previsão de intervenções em 24 estações, que envolviam até reconstrução das paradas mais antigas. “Diante dos recursos que contávamos e não vamos ter, o que estamos fazendo é rediscutir todas as ações, definindo quais são as prioridades. Metade das estações da CPTM tem acessibilidade. O que estamos fazendo é verificando as obras mais necessárias, que vamos fazer”, disse o secretário, que espera terminar as obras já em andamento e fazer reformas em mais cinco estações.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em São PauloX