Quatro ônibus são incendiados em Campinas em menos de 24 horas

Polícia Civil investiga o envolvimento de traficantes e de funcionários das empresas do transporte

Ricardo Brandt, O Estado de S. Paulo

20 Julho 2012 | 20h52

CAMPINAS - A Polícia Civil investiga o envolvimento de traficantes e de funcionários das empresas do transporte coletivo de Campinas no incêndio a quatro ônibus ocorridos em menos de 24 horas no Jardim São José, periferia da cidade.

Na noite de quinta-feira, três ônibus da VB Transporte e Turismo foram incendiados em um mesmo local em menos de 15 minutos. Os ataques ocorreram às 20h, 20h10 e 20h15. Quatro homens armados pararam os veículos da linha 317, e após obrigarem os motoristas e cobradores a descer, jogaram um líquido inflamável e atearam fogo. Eles fugiram levando o dinheiro das catracas.

Para o delegado Humberto Parro Neto, os cobradores afirmaram que os assaltantes teriam dito: "vai descendo e deixa o dinheiro que depois vocês voltam a trabalhar. O problema é com a polícia".

Um dos ônibus ficou totalmente destruído e os outros dois, parcialmente danificados. Os próprios condutores conseguiram controlar as chamas. Para evitar novos ataques, a empresa solicitou ontem escolta da Guarda Municipal para que os veículos saíssem da garagem. As viagens foram atrasadas em meia hora. Sete mil pessoas utilizam essa linha.

O quarto caso ocorreu na noite de terça-feira quando um jovem armado entrou no ônibus da mesma linha, num outro ponto, jogou álcool e após levar o dinheiro ateou fogo. A polícia não acredita que exista relação entre os dois atentados.

Apesar da informação de que o alvo dos atentados era a polícia, as investigações vão apurar a suposta ligação de funcionários da própria empresa com os incêndios. Uma campanha lançada no mês passado pela Empresa Municipal de Desenvolvimento de Campinas (Emdec) incentiva que a população denuncie cobradores e motoristas flagrados desviando dinheiro dos ônibus. Em Campinas, mais de 20% das viagens são pagas em dinheiro.

Mais conteúdo sobre:
incêndio ônibus Campinas protesto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.