Quase mil dias depois da tragédia da Air France, vítima é enterrada no Rio

Mais de dois anos e meio após a queda do Airbus que viajava do Rio para Paris, em 31 de maio de 2009, causando a morte de 228 pessoas, o aposentado Nelson Faria Marinho, de 68 anos, finalmente conseguiu enterrar seu filho, o mecânico Nelson Marinho, uma das vítimas da tragédia. O sepultamento ocorreu no fim da tarde de ontem, no cemitério Jardim da Saudade, em Paciência, na zona oeste do Rio, em cerimônia reservada à família.

FELIPE WERNECK / RIO, O Estado de S.Paulo

06 Dezembro 2011 | 03h04

Dos 18 corpos de brasileiros recentemente resgatados e identificados, o de Nelson Marinho foi o primeiro a ser enterrado no País. O mecânico, de 40 anos, havia sido contratado por uma empresa italiana para trabalhar em uma plataforma de petróleo em Angola e fazia sua segunda viagem a trabalho para o exterior.

"Foi encerrado um ciclo", disse ontem o pai, que estava acompanhado da mulher, dos outros quatro filhos, de sobrinhos, outros parentes e amigos. "Por mais que a gente saiba da tragédia, sempre fica uma sensação de não ter acontecido. Você fica incrédulo. Nesse sentido, o enterro deixa a gente um pouco mais confortável." Ele, no entanto, afirmou que a revolta ainda é muito grande. "Conquista será quando eu conseguir provar que esse avião, o A-330, tem um defeito de fabricação. Além disso, por ser muito automático, ele deixa o piloto refém da máquina."

No momento do enterro, ele fez um apelo para que autoridades "ordenem que o Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa) faça uma investigação paralela" à do governo francês. O pai vestia uma camiseta regata que deixava à mostra, no braço esquerdo, uma tatuagem do rosto de Nelson quando criança, com a frase "Filho é eterno".

"Ele tinha seis anos nessa foto. Para um pai, o filho não cresce. (A tatuagem) Vai ficar aqui até o fim, quando eu for também", disse o pai. O enterro foi pago pela seguradora da Air France, disse Marinho. Ele afirmou que ainda luta na Justiça brasileira por uma indenização.

Faixa. Em novembro, o Ministério das Relações Exteriores informou que havia sido notificado pelas autoridades francesas sobre a identificação dos corpos de 18 brasileiros. Além desses, já haviam sido sepultados outros 20 corpos de brasileiros. Cerca de duas dezenas de pessoas acompanharam o enterro. Além de coroas de flores de amigos e de um escritório de advocacia, parentes levaram uma faixa: "Te amaremos para sempre".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.