Nacho Doce/Reuters
Nacho Doce/Reuters

Problemas do carnaval na 23 de Maio vão de xixi a consumo de drogas

Foram autuadas 396 pessoas urinando na rua; também houve tentativas de roubo e barulho incomodou hospitais

Gilberto Amendola e Fabio Leite, O Estado de S.Paulo

14 Fevereiro 2018 | 06h00

Apesar do sucesso de público, o carnaval na Avenida 23 de Maio registrou problemas. Uma das maiores queixas de foliões e moradores dos bairros próximos foi a quantidade de pessoas urinando, vomitando ou consumindo drogas nas ruas.

A lateral do Centro Cultural São Paulo, de frente para a 23, virou o ponto favorito para o xixi. Desde o dia 3, foram autuadas 396 pessoas fazendo xixi na rua. Segundo a Prefeitura, havia 580 banheiros públicos, mas os foliões reclamaram de filas. 

+ Gestão Doria intensificará fiscalização da 'lei do xixi' no carnaval

O Estado também flagrou diversas pessoas vendendo e consumindo drogas. E os problemas continuaram após a passagem dos blocos: foliões ficavam nas ruas fumando maconha ou consumindo bebidas. "Tinha gente desmaiada na porta de casa. Foi uma transferência de problema. Tirou da Vila Madalena e trouxe para cá", disse o morador da Rua Maestro Cardim, Antonio Favano, de 55 anos. A Guarda Civil Metropolitana prendeu quatro acusados de vender drogas na 23 ontem. 

Enfermeiras contaram que foliões tentaram forçar a entrada em hospitais da região para tentar usar os banheiros. No Hospital Sancta Maggiore, no Paraíso, meninas passaram a gritar e xingar, depois que foram impedidas de entrar pelos seguranças. Famílias de pacientes reclamaram de barulho e houve atraso de ambulâncias. 

+ São Paulo terá 103 blocos até domingo

Houve ainda tentativas de roubo: o Estado flagrou uma no bloco Os Invertidos, que desfilou ontem na 23. O rapaz estava com uma faca e ameaçou uma foliona. Um dos seguranças chamou a polícia.

Perto de um posto policial na região da 23 de Maio, Bernardete Colares, de 50 anos, queria registrar boletim de ocorrência por roubo de celular. "Trouxe minha filha para brincar e olha o que aconteceu. Foi o celular que ela ganhou de Natal."

A Secretaria da Segurança Pública informou que a tentativa de roubo com faca foi registrada como ameaça e furto e o suspeito, detido. Não foi localizado, segundo a pasta, nenhum registro de tumulto em hospitais.

A Prefeitura informou que a "estrutura do evento foi debatida com associações de moradores e o Ministério Público". E disse que foram criadas rotas alternativas para ambulâncias. A 23, diz a Prefeitura, é monitorada e a operação ajustada sempre que necessário.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.