1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Pressão de moradores retira do Plano Diretor moradia popular em área nobre

Adriana Ferraz, Luciano Bottini Filho - O Estado de S. Paulo

28 Junho 2014 | 20h 17

Oficialmente, o veto a conjuntos habitacionais ao lado de imóveis de alto padrão é explicado pelo preço do metro quadrado nessas regiões; votação do texto na Câmara está marcada para segunda-feira

Moradores de bairros nobres da capital paulista pressionaram e conseguiram retirar do Plano Diretor a marcação de terrenos para moradia popular em áreas como Vila Nova Conceição, na zona sul, e Alto de Pinheiros, na zona oeste. Oficialmente, o veto a conjuntos habitacionais ao lado de imóveis de alto padrão é explicado pelo preço do m² nessas regiões. Em alguns casos, o valor ultrapassa os R$ 20 mil. A votação do texto está marcada para segunda-feira.

Com as mudanças, apenas uma garagem municipal, localizada na Vila Leopoldina, zona oeste, permanece na lista nova de Zonas Especiais de Interesse Social (Zeis) consideradas nobres. O terreno foi mantido porque já pertence à Prefeitura, eliminando, assim, a necessidade de gastos com desapropriação. Na contramão, o plano mantém uma lista de prédios e terrenos abandonados em bairros com infraestrutura que podem virar moradia popular (mais informações nesta página).

Relator do projeto que criou o novo Plano Diretor, o vereador Nabil Bonduki (PT) disse que a decisão sobre as Zeis que ficariam no texto final se deu em função da viabilidade econômica e urbanística dos terrenos. “Precisamos ter Zeis marcadas onde de fato serão feitas habitações sociais. Por isso, nosso critério foi não marcar Zeis em áreas onde já há protocolo na Prefeitura de projeto distinto.”

A decisão acalma moradores que contestavam mudanças visuais em seus redutos. O engenheiro André Sibinelli, de 53 anos, é um deles. Ele vive há 11 anos no City-Boaçava, no entorno do Parque Villa-Lobos, e temia que uma Zeis fosse criada perto da Praça Apecatu. Segundo ele, um empreendimento popular poderia descaracterizar a região, restrita hoje a casas. 

“Quantas unidades você colocaria ali? Se fosse respeitar o ordenamento, um prédio não poderia ter mais de 12 metros de altura”, alerta. “As normas hoje são restritivas. Os vereadores não poderiam virar o padrão urbanístico.” A mudança no conceito urbano poderia ocorrer porque nas Zeis o potencial construtivo é maior e as unidades, menores. 

Daslu. Até a votação do plano, a preocupação de Sibinelli era a mesma do engenheiro civil Abrahão Badra, de 75 anos, morador da Vila Nova Conceição, um dos locais mais valorizados da zona sul pela proximidade com o Parque do Ibirapuera. Durante as discussões, um terreno que já serviu como estacionamento da primeira loja Daslu chegou a ser demarcado como Zeis.

Robson Fernandjes
Antigo estacionamento da Daslu, na Vila Nova Conceição, chegou a ser classificado como Zeis
Com 2,4 mil m², a área fica na esquina das Ruas Professor Filadelfo Azevedo e Domingos Leme, em um dos lotes mais disputados do bairro, que é residencial. Desde que a construção de moradias populares passou a ser cogitada pela Câmara, a diretoria da Associação dos Moradores da Vila Nova Conceição (AMVNC) se mobilizou com outras entidades de bairro para pressionar pela alteração.

“A nossa oposição é à verticalização. Não somos contra verticalizar para pobre. Somos contra verticalizar para rico também. Quer construir moradia popular? Sejam bem-vindos! Mas em casa de dois pavimentos”, diz Badra, presidente do conselho de administração da AMVNC. Nessas condições, no entanto, cada imóvel sairia por pelo menos R$ 4 milhões. 

No Alto de Pinheiros, o preço pago pelo m² segue a mesma tabela, ainda que em lotes pequenos, como os que seriam demarcados como Zeis. “São áreas que ficam nas esquinas de ruas como a Fonseca Rodrigues e a Cerro Corá. Lá, o preço é tão alto que impede a construção de unidades para baixa renda”, diz a arquiteta Maria Ignez Barretto, integrante do conselho da Associação dos Amigos do Alto de Pinheiros (Saap).

Como resultado da valorização dos terrenos que sobraram em bairros nobres e da pressão dos moradores, a maioria das Zeis classificadas está na periferia, contrariando o conceito principal do Plano Diretor, que é aproximar moradia e emprego.

  • Tags:

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo