Preso no Paraná homem que sequestrou menina em culto

Ajudante-geral de 47 anos caminhava por Maringá ao ser detido; ele disse que usaria Brenda para pedir esmolas

CAMILLA HADDAD, O Estado de S.Paulo

06 Julho 2012 | 03h01

O ajudante-geral Jorge Antunes Cardozo, de 47 anos, foi preso ontem de manhã em Maringá (PR), acusado de sequestrar a menina Brenda Gabriela da Silva, de 4 anos, em uma igreja evangélica no Cambuci, região central, no dia 10 de junho.

Segundo o delegado titular do 6.º DP (Cambuci), José Gonzaga Marques, Cardozo foi detido por três investigadores da capital quando caminhava pela cidade. "Ele alegou informalmente aos policiais que sua intenção era usar a menina para pedir esmola e conseguir um bom dinheiro." Na noite de ontem, Cardozo estava a caminho de São Paulo.

"Vamos interrogá-lo e fazer o reconhecimento amanhã (hoje)", afirmou o delegado, que deixou sua equipe de plantão na cidade por três dias. "Depois será feito o pedido de prisão preventiva dele."

Brenda desapareceu em 10 de junho, quando foi com a mãe a um culto da Igreja Pentecostal Deus É Amor. Quinze dias depois, foi vista por um vizinho na Rua Vergueiro, no colo de Cardozo. O estoquista Alex Gomes de Carvalho, de 18 anos, reconheceu a garota quando o acusado parou em uma loja para pedir comida. Carvalho segurou a menina e Cardozo, mas o acusado fugiu quando o estoquista pegou o telefone para ligar para a polícia.

No dia 27, a PM prendeu um homem que acreditava ser o suspeito. Também ajudante-geral e com 47 anos, Jair Paulino foi abordado em um ponto de ônibus. Segundo policiais, ele teria confessado informalmente que havia levado a menina.

Uma verruga do lado esquerdo do rosto, ausente na foto de Cardozo, foi uma das características que fizeram a polícia descartar Paulino e soltá-lo.

Dois dias depois, laudo do Instituto Médico-Legal (IML) comprovou que Brenda não sofreu abuso sexual enquanto esteve com Cardozo.

Testemunhas que viram Cardozo com a garota - sem saber que ela era procurada - disseram que ele a deixava em uma carroça. / COLABOROU TIAGO DANTAS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.