1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Pedreiro confessa morte de ex-mulher e diz que vingou traição

- Atualizado: 09 Março 2016 | 15h 05

Crime em Sorocaba, no interior, aconteceu dois dias depois de doméstica ter pedido proteção contra o ex-marido à Polícia Civil

SOROCABA - Policiais militares prenderam nesta quarta-feira, 9, o pedreiro Edvaldo José da Silva, de 58 anos, acusado de matar a ex-mulher com dez facadas, há uma semana, em Sorocaba, interior de São Paulo. Ao confessar o crime, Silva disse aos policiais que se vingou de uma suposta traição da mulher e que não estava arrependido. O crime aconteceu dois dias depois de a doméstica Cícera de Fátima Ferreira da Silva, de 56 anos, ter pedido proteção contra o ex-marido à Polícia Civil. No dia em que foi assassinada, ela compareceria a uma audiência no Fórum para ser colocada sob proteção.

O homem foi detido numa casa do Parque Vitória Régia, zona norte da cidade. Ele usou documentos falsos para se empregar numa obra, num condomínio fechado. Cícera foi surpreendida pelo ex-marido quando chegava em casa com uma colega. O pedreiro saiu de trás de um muro e foi golpeando a vítima na frente da testemunha, até ela cair. A faca, jogada num terreno baldio, foi achada pela polícia. Ele viveram juntos durante 22 anos e tiveram um filho, mas Cícera havia deixado o marido havia um ano e se mudou de Bauru para Sorocaba fugindo dele.

Caso aconteceu no Parque Vitória Régia, em Sorocaba, no interior paulista

Caso aconteceu no Parque Vitória Régia, em Sorocaba, no interior paulista

Dois dias antes do crime, ela denunciou novas ameaças na Delegacia de Defesa da Mulher de Sorocaba. O homem exigia dinheiro para não matá-la. A mulher tinha sido intimada para se apresentar naquele mesmo dia à Vara da Violência Doméstica. O ex-marido seria obrigado a manter distância dela. O pedreiro pode ser enquadrado na Lei do Feminicídio, em vigor desde o ano passado, que prevê penas mais severas para o crime contra a mulher. O autor pode ser condenado à pena de reclusão de 12 a 30 anos, enquanto o homicídio simples prevê prisão de 6 a 12 anos.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em São PauloX