REUTERS/Steve Marcus
REUTERS/Steve Marcus

Prefeitura pedirá a empresas que ofereçam 519 pontos de wi-fi em SP

Gestão do Prefeito João Doria (PSDB) pretende substituir 120 pontos de wi-fi em praças bancados pelos cofres públicos e criados na gestão Haddad (PT) na medida em que empresas assumirem o serviço

Luiz Fernando Toledo, O Estado de S.Paulo

14 Julho 2017 | 18h25

SÃO PAULO - A Prefeitura de São Paulo vai pedir à iniciativa privada para instalar 519 pontos de wi-fi grátis em equipamentos públicos do município e em pontos turísticos até 2019.  Todos os pontos seriam mantidos por empresas, que terão liberdade para pedir que os usuários assistam a algum tipo de propaganda antes de acessar a internet gratuita. Para isso, o governo municipal vai publicar no Diário Oficial, na próxima semana, um Procedimento Preliminar de Manifestação de Interesse (PPMI) para ouvir o mercado, a opinião pública e a academia sobre o modelo mais indicado para a proposta. 

Há hoje 120 pontos do programa WiFi Livre SP, inaugurado em 2015, na gestão Haddad, que custam, cada, cerca de R$ 8 mil por mês. “O modelo atual não consegue se manter a médio e longo prazo. O poder municipal não vai investir nisso”, diz o secretário municipal de Inovação e Tecnologia (Smit) Daniel Annenberg.

A ideia da Prefeitura é substituir todos esses pontos na medida em que empresas possam assumí-los. Enquanto não são feitas as parcerias, eles continuarão mantidos com recursos públicos. Além de praças, a Prefeitura promete também ter pontos em parques, centros esportivos, bibliotecas, CEUs e pontos turísticos.

“Quando você vai a Madrid, na Praça do Sol, você consegue ter acesso ao wi-fi de uma empresa depois de acessar um videozinho ou alguma propaganda. É o que acontece em outros lugares do mundo e queremos que aconteça aqui”, disse o secretário.

A PPMI tem prazo de 30 dias para o recebimento de contribuições e duração prevista de 50 dias, devendo encerrar-se no final de agosto. Após isso, será preparado um edital de licitação, a ser publicado em setembro. A previsão é que até o final do ano sejam definidas as empresas que operarão as novas localidades com o serviço de  Wi-Fi .

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

0 Comentários

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.