1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Prefeitura pede reintegração de posse de prédio do Othon

Luciano Bottini Filho - O Estado de S. Paulo

16 Junho 2014 | 21h 41

Antigo hotel foi invadido na madrugada do dia 2; segundo movimento de moradia, negociação com a Prefeitura prossegue

SÃO PAULO - A Prefeitura de São Paulo pediu a reintegração de posse do prédio do antigo Hotel Othon Palace, na região da Sé, no centro de São Paulo. O local foi desapropriado para tornar-se a futura sede de Secretaria Municipal de Finanças e Desenvolvimento Econômico, mas cerca de 200 sem-teto ocuparam o edifício na madrugada do dia 2, após arrombarem as paredes lacradas com concreto. 

“A gente está negociando (com a Prefeitura)”, diz o garçom Marcelo Cavalcanti, de 40 anos, do Movimento da Luta pela Moradia Digna (MLMD), que coordenou a ocupação. O grupo declara que não tem ligação com outros movimentos sem-teto e se reuniu para entrar no prédio ao vê-lo permanentemente desabitado. “Ainda fizemos um abaixo-assinado com 600 famílias. Não avisaram sobre a reintegração. Eles (Prefeitura) estão jogando conosco. Querem só falar para nós sairmos de lá.” 

Segundo o MLMD, mais de 500 famílias já se mudaram para o antigo hotel e já conseguiram restabelecer o fornecimento de luz e água. O MLMD participou de protestos no dia da abertura da Copa e planeja um novo ato, caso o impasse não seja resolvido. 

A ação, apresentada à Justiça na semana passada, foi encaminhada para análise do Ministério Público Estadual (MPE). Depois, o juiz poderá decretar a desocupação do imóvel.

Pamplona. No quinto dia de ocupação de um prédio residencial na Rua Pamplona, no Jardim Paulista, coordenadores do Movimento de Moradia da Região Central começaram a organizar a distribuição de cada uma das 50 pessoas que estão no local. O prédio de 15 andares, que tinha apenas um apartamento habitado, foi invadido por 200 pessoas na abertura da Copa do Mundo, quinta-feira. A RMF, imobiliária responsável pela administração do imóvel, confirmou que o prédio está à venda, mas não se pronunciou sobre a invasão. / COLABOROU LAURA MAIA DE CASTRO

  • Tags: