Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

São Paulo » Prefeitura não terá como fazer inspeção em 2014, diz Controlar

São Paulo

Prefeitura não terá como fazer inspeção em 2014, diz Controlar

Segundo Marcos Brandão, presidente da empresa, governo municipal 'começará do zero'; concessionária será desativada até o dia 31, quando termina prazo dado pela Justiça

0

Luciano Bottini Filho e Luciana Collet, O Estado de São Paulo,

16 Janeiro 2014 | 13h20

SÃO PAULO - O presidente da Controlar, Marcos Brandão, disse nesta quinta-feira, 16, que a Prefeitura de São Paulo terá de "começar do zero" a partir do dia 1º de fevereiro, após a concessionária encerrar a prestação do serviço de inspeção veicular na cidade. Para ele, as novas empresas que entrarem na atividade só estão prontas para atender o público após 2014. O edital para a nova licitação está programado para sair ainda neste mês, mas a Prefeitura já prevê um atraso no início do calendário de vistorias para maio, em vez de fevereiro.

"Todos os terrenos são alugados e nós já informamos que, a partir do dia 1º, nós faremos a sua entrega. Os equipamentos nós vamos guardar até o desfecho judicial sobre o caso", afirmou Brandão. Com o novo modelo em estudo pela Prefeitura, em que só são necessárias quatro filas de inspeção, as unidades usadas pela Controlar, segundo a empresa, são grandes demais para as concessionárias e não deverão ser aproveitadas. Assim, os futuros prestadores de serviço terão de adaptar novos locais de vistoria com equipamentos, funcionários e sistemas de informação.

Segundo o presidente, a empresa não tem interesse em manter a atividade conforme as condições previstas na nova lei que diminui o número de inspeções. Brandão alega que não tem reuniões com a prefeitura desde fevereiro de 2012 e houve fechamento no diálogo.

A Procuradoria-Geral do Estado (PGE) entrou no ano passado com uma ação declaratória de inconstitucionalidade contra a lei municipal e, segundo o presidente, a empresa acredita que tem mais chance de se manter na atividade caso a Justiça considere inválido o novo modelo. Isso porque a empresa poderia ser chamada a discutir a manutenção da atividade. "Temos total interesse em encontrar a melhor solução, temos interesse em fazer com que a inspeção não seja interrompida, pelo modelo que tínhamos", disse.

Caso a procuradoria ganhe a ação, os processos movidos pela Controlar podem ser mais favoráveis a ela, já que o município não poderá alterar o sistema de inspeção da cidade. Pelo novo modelo, o número de inspeções veiculares deve cair cerca de 42%, uma vez que os veículos só passarão pelo teste a partir do quarto ano de licenciamento, sendo que até o décimo ano, a inspeção é bianual. Para o presidente da Controlar, este novo modelo não atende as necessidades ambientais. "Não se trata de economicamente inviável, o modelo não é o melhor, porque o anterior é bom para empresa e para o meio ambiente. É o mesmo que foi implementado por outras cidades do mundo", disse.

Imbróglio jurídico. A empresa discute na Justiça o prazo do contrato da licitação. Para a Controlar, o documento seria válido até 2018. A Prefeitura de São Paulo considera que o prazo já expirou. A discussão está relacionada ao início das atividades, em 2008, 13 anos após a licitação, ocorrida em 1995. Ela pleiteia a manutenção do contrato até o final ou a indenização pelo encerramento antecipado. Brandão disse que o valor devido está sendo apurado por duas consultorias.

Sobre as ações movidas contra a Controlar por irregularidades na licitação, o presidente diz que o risco jurídico para ela "é extremamente baixo". "Agora, é esperar a Justiça. Tecnicamente, nós entendemos que nós estamos bem e que o processo foi correto."

 

Em nota, a Prefeitura diz que "está contratando novas empresas para realizar a inspeção veiocular, que de acordo com a nova lei aprovada, dispensa o proprietário do veículo do pagamento de taxas e estipula um calendário diferenciado de inspeção de acordo com a idade do veículo". Segundo o governo municipal, "as regras de transição do velho para o novo modelo serão oportunamente divulgadas".

Mais conteúdo sobre: