Prefeitura faz blitz contra reformas em vila centenária

Conselho quer evitar mudanças nas 117 casas originais; quem não promove melhorias, porém, também pode ser punido

Diego Zanchetta, O Estado de S. Paulo

26 Abril 2014 | 18h00

SÃO PAULO - Um dos objetivos da nova gestão do Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental de São Paulo (Conpresp) é tentar impedir a destruição do que sobrou da Vila Maria Zélia, bairro operário construído na zona leste, em 1916, para os funcionários da antiga Companhia Nacional de Tecidos. O objetivo do conselho é tentar evitar mudanças nas 117 casas que mantêm a construção original do início do século 20.

Mais de 20 donos que fizeram reformas sem autorização do Conpresp foram notificados em 2013. Outros quatro já receberam multas emitidas a partir de fevereiro, com base nas novas regras de fiscalização do patrimônio histórico. Nos quatro casos, porém, os donos reclamam que fizeram reformas em sobrados abandonados e prestes a desmoronar.

"Quando eu comprei essa casa, por R$ 80 mil, só tinha mato e entulho aqui dentro. Nós fizemos toda a reforma, recuperamos tudo sem alterar o desenho da casa. É um absurdo agora eu ser multado. Queriam que o lugar ficasse abandonado para sempre?", questiona o autônomo Cristiano Cruz da Rocha, de 36 anos, que se mudou para a vila no ano passado com a mulher, a bancária Thais Soares, de 40. Eles foram multados em cerca de R$ 500. "O mato tinha crescido até dentro da casa", acrescenta a bancária.

Cupins. Quem trocou as antigas janelas de madeira por estruturas de ferro também foi acionado pelo governo. "O bairro inteiro está infestado de cupins, ninguém mais tem como manter essas portas e janelas de madeira. No bairro inteiro há só duas casas inteiramente originais de 1916. Todas as outras já foram reformadas", reclama Walda Silva, de 60 anos, que foi notificada a reformar as paredes da casa. "Disseram que está caindo, que eu preciso reformar. Mas não tenho dinheiro, vou fazer o quê? Morar debaixo da ponte com meu filho deficiente?".

A atual gestão do Conpresp também quer retomar a restauração de alguns edifícios da Vila Maria Zélia, como a do prédio do antigo restaurante da Companhia de Tecidos. As obras de restauro foram paralisadas em 2011. O governo também estuda uma forma de ajudar financeiramente as reformas solicitadas pelo Conpresp, segundo Nadia Somekh, diretora do Departamento de Patrimônio Histórico (DPH), órgão da Secretaria Municipal de Cultura.

Mais conteúdo sobre:
Conpresp

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.