1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Prefeitura é proibida de usar multas para manter CET

- Atualizado: 18 Janeiro 2016 | 17h 17

Decisão da Justiça é da última sexta-feira, 15; MPE entrou com ação em 2015 acusando prefeito e secretário de improbidade administrativa

SÃO PAULO - A Justiça de São Paulo proibiu que a gestão Fernando Haddad (PT) use o recurso das multas para financiar a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), órgão ligado à Secretaria Municipal de Transportes. A decisão liminar é da última sexta-feira, 15, concedida pelo juiz Luís Felipe Ferrari, da 5ª Vara de Fazenda Pública. A Prefeitura afirmou que vai recorrer.

A medida atende a um pedido do Ministério Público Estadual (MPE), que no final de 2015 entrou com uma ação de improbidade administrativa contra a Prefeitura de São Paulo, acusando a administração municipal de usar o dinheiro do Fundo Municipal de Desenvolvimento do Trânsito (FMDT) para pagar os custos da CET. 

O MPE acusa a Prefeitura de usar o dinheiro para pagar funcionários da CET e da Secretaria Municipal de Transportes

O MPE acusa a Prefeitura de usar o dinheiro para pagar funcionários da CET e da Secretaria Municipal de Transportes

Os promotores dizem que pelo menos R$ 25 milhões foram usados para a construção de ciclovias na capital. O MPE também vê como irregular a destinação do fundo para melhoria de terminais de ônibus. Na época, a Prefeitura de São Paulo disse que “estranhou” a ação Ministério Público Estadual. O secretário de Transportes, Jilmar Tatto, chegou a dizer que o MPE tem uma “visão distorcida” sobre o uso de dinheiro.

Em nota nesta segunda-feira, 18, a Prefeitura, além de afirmar que vai recorrer da medida, disse que considerou “salutar” a decisão do juiz. De acordo com a gestão petista, a Justiça “não encontrou nenhum indício de que qualquer agente público, secretário municipal ou o prefeito tenha agido de forma dolosa ou culposa”. 

Para a administração municipal, isso afasta “a principal acusação do promotor Marcelo Milani de improbidade administrativa”. Fazendo essa acusação, o MPE conseguiria o bloqueio de bens de Tatto e Haddad. 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em São PauloX