Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

Prefeitura e Estado fecham duas tendas de apoio na Cracolândia

Espaços ofereciam pernoite, serviço de higiene e atendimento social; governos afirmam não ter havido prejuízo

Priscila Mengue, O Estado de S.Paulo

12 Outubro 2017 | 04h00

SÃO PAULO - Duas tendas de atendimento a usuários de drogas foram fechadas nas últimas semanas pelo Estado e a Prefeitura de São Paulo na região da Cracolândia, em Campos Elísios, no centro da capital. Parte dos programas Redenção (municipal) e Recomeço (estadual), os espaços ofereciam serviços como pernoite, higiene e atendimento psicossocial. Mais de cinco meses após megaoperação policial na área, centenas de dependentes químicos ainda se concentram no entorno do antigo “fluxo”.

+++ Pesquisa revela que população da Cracolândia cresceu 160% em um ano

Ao Estado, voluntários de uma ONG afirmaram que os usuários ficaram mais agressivos e em maior número após o fechamento das unidades. Já um rapaz de 28 anos disse à reportagem estar dormindo na calçada há três dias por não conseguir mais vagas para pernoitar no entorno.

+++ ANÁLISE: É o fim da Cracolândia?

Poder público

Segundo o prefeito João Doria (PSDB), o espaço Atende 2 será reaberto no dia 18 na Rua Helvétia, a cerca de 500 metros do local original, na Alameda Cleveland. Ele alegou que a mudança ocorreu porque o terreno anterior integra a área de uma Parceria Público-Privada (PPP) de Habitação.

 

Já o governo do Estado, por meio de nota, afirmou que sua tenda na Rua Helvétia era temporária e teve seus serviços transferidos para outras unidades. Um dos motivos apontados é a queda no número de triagens, que foi de 953, em maio, para 642, em setembro. 

No mesmo período, a Unidade Recomeço, na mesma via, teve um aumento nos acolhimentos, de 2.960 para 3.487.

+++ 'Não há possibilidade de a Cracolândia voltar', diz Doria

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.