Prefeito proíbe festas em todas as boates por 30 dias

Cezar Schirmer (PMDB) argumentou que não tinha 'poder' para fechar a boate Kiss

Diego Zanchetta, O Estado de S.Paulo

30 Janeiro 2013 | 02h00

SANTA MARIA - Na primeira entrevista coletiva após a tragédia em Santa Maria, o prefeito Cezar Schirmer (PMDB) argumentou, nessa terça-feira, 29, que não tinha "poder" para fechar a boate Kiss. Em seguida, porém, ele anunciou um decreto que proíbe qualquer estabelecimento noturno do município de fazer festas pelos próximos 30 dias.

A cidade é sede do maior câmpus da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), que tem 27 mil estudantes universitários. Antes da tragédia, eram pelo menos cinco baladas noturnas por dia de quinta-feira a sábado, segundo relatos de moradores.

"Até que se faça uma varredura completa em todas as boates e casas que promovem festas e shows, nenhum evento será permitido na cidade", anunciou Schirmer para cerca de 70 jornalistas brasileiros e estrangeiros. O prefeito não quis responder às perguntas da imprensa depois de anunciar agradecimentos pela mobilização da cidade com as vítimas. Seu secretário de Governo, Giovani Manica, afirmou que "todos nós do governo estamos muito exaustos" para argumentar a rapidez da entrevista coletiva. "Eu mesmo quase desmaiei na mesa enquanto o prefeito falava", disse.

O secretário de Governo afirmou que, caso seja comprovado que agentes da prefeitura omitiram dados da boate Kiss na fiscalização feita no espaço em abril do ano passado, haverá punição aos fiscais.

Mais conteúdo sobre:
Santa Maria Kiss

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.