Hélvio Romero/Estadão
Hélvio Romero/Estadão

Prazo de adaptação às faixas exclusivas foi 'longo', diz Haddad

Segundo a CET, o período médio sem aplicação de multas após instalação de faixa exclusiva para ônibus é de duas semanas

Felipe Resk, O Estado de S. Paulo

16 Janeiro 2015 | 16h51

SÃO PAULO - Após a cidade de São Paulo registrar recorde de multas de trânsito, puxado por infrações de desrespeito às faixas e corredores exclusivos de ônibus, o prefeito Fernando Haddad (PT) afirmou que os motoristas e motociclistas tiveram um “prazo de adaptação longo” para se adequarem aos equipamentos.

“No ano passado, foi longo o processo em que só havia orientação, mas não havia multa”, afirmou o prefeito, durante inauguração de obras viárias na zona leste na manhã desta sexta-feira, 16. Ainda de acordo com Haddad, a Prefeitura sofreu “pressão grande” por parte dos usuários de transporte público, que teriam reclamado de invasões constantes das faixas de ônibus por carros. “Aí nós passamos a aplicar (multas)”, disse.

Segundo a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), o prazo médio concedido aos motoristas para adapção após a instalação de faixas exclusivas de ônibus - em que as multas não são aplicadas - é de 15 dias. Os dados da companhia apontam que, em 2014, esse tipo de infração cresceu 69,5% com relação ao ano anterior.

Apesar do número, Haddad afirmou que tem havido uma “‘observância’ maior das faixas exclusivas” por parte dos motoristas. Atualmente, a cidade tem 462 quilômetros de faixas exclusivas, a maior parte construída depois dos protestos de junho de 2013.

Mais conteúdo sobre:
São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.