Nivaldo Lima/Futura Press
Nivaldo Lima/Futura Press

PM da Rota mata suspeita após assalto a ônibus na Castelo

Homem que participou de arrastão foi baleado em troca de tiros e ficou ferido; ele atirou em motorista que se recusou a ajudá-lo a fugir

Felipe Resk e José Maria Tomazela, O Estado de S. Paulo

23 Julho 2015 | 08h41

Atualizado às 9h45

SÃO PAULO E SOROCABA - Um arrastão em um ônibus rodoviário terminou com uma suspeita morta e outro ferido após troca de tiros com um policial militar de folga na Rodovia Castelo Branco, em Barueri, na Grande São Paulo, na noite desta quarta-feira, 22. Um motorista de um veículo, que se negou a ajudar o criminoso a fugir, também foi baleado.

O ônibus da Viação Cometa havia saído de Sorocaba, no interior paulista, com destino ao Terminal Rodoviário da Barra Funda, na zona oeste da capital. Por volta das 20h30, um casal, que se passava por passageiro, se levantou e anunciou o assalto. Os dois estavam armados.

Eles renderam o motorista e, enquanto o homem ameaçava com um revólver os cerca de 20 passageiros que estavam no veículo no momento do crime, a mulher recolhia dinheiro, celulares, relógios e outros pertences. Entre os passageiros, estava um cabo da Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar (Rota).

Os assaltantes mandaram o motorista parar na altura do quilômetro 22 da rodovia. Ao descerem, no entanto, foram seguidos pelo policial. De acordo com a Polícia Militar Rodoviária, o agente deu voz de prisão, mas foi surpreendido por disparos efetuados pela mulher.

Na troca de tiros, o cabo conseguiu atingir os dois suspeitos. A mulher morreu na hora. Alvejado por dois disparos, um deles no braço, o homem ainda tentou fugir, correndo por um barranco.

Armado, o assaltante abordou um carro e tentou obrigar o motorista a fugir com ele. O condutor, entretanto, recusou-se a abrir a porta e acabou atingido por um disparo. Uma mulher que estava em outro carro também foi atingida por um tiro no queixo.

O tiroteio deixou em pânico os passageiros e motoristas que estavam na rodovia. As vítimas dos tiros foram levadas para um hospital de Barueri, mas não corriam risco de morte.

Encurralado, o suspeito foi preso por policiais do 20.º Batalhão, que atua na cidade. Ele precisou ser socorrido pelo Corpo de Bombeiros para um hospital da região - seu estado de saúde não foi informado. O caso foi registrado na Delegacia de Barueri, para onde os objetos recuperados foram levados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.