Polícia recupera 1 dos 7 fuzis roubados de quartel do Exército

Armanento roubado em Caçapava estava escondido em casa em São José dos Campos; mulher foi detida

Marcelo Godoy e Hélcio Consolino, O Estado de S. Paulo

09 Abril 2009 | 19h21

Uma ação conjunta da Polícia Civil e do Exército nesta quinta-feira, 9, levou à recuperação de um dos sete fuzis roubados do quartel do 6º Batalhão de Infantaria Leve (6ºBIL), em Caçapava (SP), no dia 8 de março. A arma estava escondida na churrasqueira de uma casa, no Jardim da Granja, em São José dos Campos. Uma mulher foi detida. O exame da numeração do fuzil confirmou que se tratava de uma das armas levadas pelos cinco homens que invadiram o batalhão, dominaram sentinelas e fugiram com o armamento.

 

A partir da identificação da detida e de pessoas com as quais ela se relaciona, o Comando Militar do Sudeste (CMSE) e as Polícias Civil e Militar esperam chegar aos autores do roubo. O fuzil recuperado é um FAL, calibre 7,62 mm. De fabricação nacional, é o armamento padrão da infantaria do Exército. O CMSE e a polícia não divulgaram mais informações sobre o achado para não prejudicar a sequência das investigações. A recuperação dos fuzis é classificada pelos generais do CMSE como "ponto de honra".

 

Durante um mês, o Exército empregou cerca de 500 homens em buscas no Vale do Paraíba, uma ação que foi elogiada pelos policiais da região, pois ajudou a reprimir os criminosos, impedindo que eles retirassem as armas da região. "Essa operação foi muito importante", disse o delegado Godofredo Bittencourt Filho, que dirigia a polícia no Vale do Paraíba quando houve o roubo. O CMSE recebeu no final da tarde a confirmação de que o fuzil achado era do lote levado do 6º BIL. De imediato, as buscas ostensivas na região, paralisadas anteontem, foram retomadas.

 

O bairro em que o fuzil foi achado fica próximo do aeroporto de São José dos Campos. A mulher na casa de quem estava o fuzil foi levada para a Delegacia Seccional da cidade, onde estava sendo interrogada até o começo da noite de ontem. A arma, segundo a polícia, teria sido escondida no local por um parente da mulher.

 

O 6ºBIL (Regimento Ipiranga), de onde foram levados os fuzis, é uma unidade tradicional da infantaria do Exército. Recentemente, os homens do 6º BIL fizeram parte do contingente brasileiro em serviço na força de paz no Haiti. Durante a 2ª Guerra Mundial, o 6º BIL (então 6º Regimento de Infantaria) participou da Força Expedicionária Brasileira (FEB), enviada à Itália. O ataque contra o batalhão ocorreu na troca de turno. Os criminosos destruíram uma cerca na parte de trás do terreno do quartel, pularam um muro de cerca de 2 metros e dominaram os militares.

 

O batalhão faz parte da 12ª Brigada de Infantaria Leve (Aeromóvel), uma das tropas de pronto emprego mantidas pelo Exército. A tropa pode ser transportada pelos helicópteros do Exército, baseados em Taubaté, sede do 1º Batalhão de Aviação do Exército. A sede da brigada também é em Caçapava.

Mais conteúdo sobre:
São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.